Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Felipe Moura Brasil Por Blog Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".

Cassação de Dilma escancara disputa de Alckmin, Serra, Aécio, Cunha e Temer pela sucessão

A Folha havia informado nesta sexta-feira: “No caso extremo de cassação do diploma de Dilma, quando ela e o vice, Michel Temer, seriam afastados dos cargos, seria aberta a polêmica: o segundo colocado na campanha de 2014, Aécio Neves, assume, como já decidiu o TSE em outros processos (Roseana Sarney, por exemplo, ficou em segundo e […]

Por Felipe Moura Brasil Atualizado em 31 jul 2020, 01h00 - Publicado em 4 jul 2015, 00h35

aecio-serra-alckminA Folha havia informado nesta sexta-feira:

“No caso extremo de cassação do diploma de Dilma, quando ela e o vice, Michel Temer, seriam afastados dos cargos, seria aberta a polêmica: o segundo colocado na campanha de 2014, Aécio Neves, assume, como já decidiu o TSE em outros processos (Roseana Sarney, por exemplo, ficou em segundo e assumiu o governo do Maranhão em 2009, depois que o tribunal cassou o então governador Jackson Lago)? Ou o TSE convoca novas eleições?

A hipótese de Aécio Neves assumir provocaria turbulência até entre os tucanos, em especial os também presidenciáveis Geraldo Alckmin e José Serra.”

A disputa interna do PSDB é tão grande que só falta Alckmin e Serra implorarem a Eduardo Cunha para acelerar o impeachment por preferirem Temer a Aécio na presidência.

Resta saber se o presidenciável Cunha não prefere o contrário também – especialmente se Temer se recusar a aceitar o pacto de não disputar 2018.

É um país muito divertido.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e na Fan Page.

Continua após a publicidade

Publicidade