Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Felipe Moura Brasil

Por Blog
Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".
Continua após publicidade

Ascensão da direita é o ‘terror’ dos ‘especialistas’

Entenda também o esquerdismo de CNN, New York Times e imprensa brasileira

Por Felipe Moura Brasil Atualizado em 30 jul 2020, 22h12 - Publicado em 1 ago 2016, 19h39

Cobertura em tuitadas e notas:

1.

Hofer

– Candidato de direita Norbert Hofer (foto) lidera corrida presidencial na Áustria porque terror na Europa fez crescer rejeição a fronteiras abertas.

– Como aprendemos na TV que maior risco trazido por terror é “ascensão da extrema-direita”, não mortes civis, “especialistas” estão em alerta.

– Escrevi em outubro de 2013: “Para o jornalismo brasileiro não existe mais direita no mundo: só direita radical, extrema-direita, direita fanática”.

– DataPim: Em 99,9% das vezes que você ler no Brasil “extrema-direita”, trata-se de tradução de agências de esquerda ou demonização imitada.

2.

Em junho de 2014, o âncora da CNN Chris Cuomo admitiu no ar que a emissora promove Hillary Clinton, candidata do Partido Democrata à presidência dos Estados Unidos:

Continua após a publicidade

“Nós não poderíamos ajudá-la mais do que temos ajudado”, “nós somos os maiores promotores de sua campanha”.

Assista ao vídeo:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=M9zMwOQMNYM?feature=oembed&w=500&h=281%5D

Em 2008, o bilionário mexicano Carlos Slim salvou da falência o New York Times e, em janeiro de 2015, tornou-se o maior acionista da New York Times Co., empresa que edita o jornal americano de esquerda cuja defesa da imigração inclusive ilegal naturalmente aumentou nesta última década.

No livro Adiós America, Ann Coulter narra episódios emblemáticos em que o posicionamento do Times nesta questão reflete os interesses comerciais de Slim.

Continua após a publicidade

Nesta segunda-feira, 1 de agosto, o candidato republicano à presidência Donald Trump publicou as seguintes tuitadas:

– Uau, é inacreditável o quão distorcida, parcial e tendenciosa a mídia está contra nós. O falido New York Times é uma piada. A CNN é risível!

– As pessoas acreditam na CNN hoje em dia quase tão pouco quanto acreditam em Hillary… Isto realmente quer dizer alguma coisa!

– CNN será em breve o nome menos confiável no noticiário, se continuar a ser assessoria de imprensa para Hillary Clinton.

– Os apoiadores de Hillary sentados nas cadeiras de âncoras da CNN, ou patrocinadores de manchetes, estão desconectados da vida real.

Continua após a publicidade

– A CNN vai enviar suas câmeras para a fronteira para mostrar a crise maciça não noticiada que se desdobra agora – ou está preocupada de que vá prejudicar Hillary?

– Quando veremos reportagens da CNN sobre a corrupção da Fundação Clinton e o ‘toma lá, dá cá’ de Hillary no Departamento de Estado?

Pois é.

Sobre esse ‘toma lá, dá cá’ (‘pay-for-play’, na expressão lúdica usada nos EUA para pagamentos por favores sexuais ou políticos), este blog havia publicado em 28 de julho:

“Detalhe: de acordo com o livro Clinton Cash, o total de doações dos acionistas da empresa Uranium One, comprada por russos, para a Fundação Clinton ultrapassou US$ 145 milhões no período anterior à aprovação pelo Departamento de Estado de Hillary Clinton do acordo Rosatom, que deu à Rússia o controle de cerca de 20% do urânio dos EUA. Quem é mesmo o aliado dos russos?”

Continua após a publicidade

James Woods, um dos raros atores hollywoodianos críticos da esquerda (até porque, assim como Clint Eastwood, já está consagrado o bastante para se calar com medo de perder papéis na indústria majoritariamente esquerdista do cinema americano), publicou uma imagem que também resume o caso:

Hillary woods

Para o New York Times e a CNN, no entanto, a “ascensão da extrema-direita” é muito mais preocupante.

3.

A julgar pela descrição do UOL, a abertura da Rio-2006 teria uma mensagem antipolicial do nível do Partido Democrata de Hillary e do PSOL. Cafonice ideológica.

UOL aberturaO cineasta Fernando Meirelles, um dos diretores da abertura dos Jogos, no entanto, negou no Twitter a cena do “assalto”:

Continua após a publicidade

“Folha de SP diz que Gisele será assaltada no show de abertura das Olimpíadas. De onde a Folha tirou esta ideia de girico? Errou feio. :)”

A Folha pode ter errado feio, ou a direção pode ter decidido mudar a cena após o vazamento ter rendido polêmica, mas convém registrar que Meirelles também errou.

O certo, na verdade, é ideia de jerico (variante de asno, burro, jumento, jegue).

Felipe Moura Brasil ⎯ https://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e no Youtube.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.