Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Felipe Moura Brasil Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Análises irreverentes dos fatos essenciais de política e cultura no Brasil e no resto do mundo, com base na regra de Lima Barreto: "Troça e simplesmente troça, para que tudo caia pelo ridículo".
Continua após publicidade

Abaixo a República do Mimimi!

Reprimendas contra boneco inflável e continência no pódio marcam dia do melindre

Por Felipe Moura Brasil
Atualizado em 30 jul 2020, 22h07 - Publicado em 12 ago 2016, 20h13

Cobertura em tuitadas:

1.

– “Foi passado para a gente [não prestar continência no pódio]. Veio de cima a ordem, então acabei que não fiz”, diz judoca brasileira Mayra Aguiar, sargento da Marinha medalhista de bronze na Rio-2016. Censura politicamente correta?

– “Para não correr o risco de perder minha medalha, eu continuei com minha mão no lugar”, diz judoca brasileira Rafaela Silva, sargento da Marinha ouro na Rio-2016. Censura esquerdista a militares?

– Sargento do Exército bronze em Londres-2012, Rafael Silva conquista novamente o bronze na categoria peso pesado (acima de 100 kg). Mais um judoca militar medalhista na #Rio2016.

Continua após a publicidade

– Ao contrário de Rafaela e Mayra, Rafael Silva prestou continência no pódio onde recebeu medalha de bronze nesta sexta-feira. Não se rendeu à patrulha de esquerda.

rafael

Quarta medalha do Brasil, todas de atletas militares

– Oficialmente, CBJ (Confederação Brasileira de Judô) e COB (Comitê Olímpico do Brasil) negaram ter proibido o gesto. Repórteres deveriam descobrir quem deu então a suposta ordem às judocas brasileiras militares para não prestar continência no pódio; ou se elas apenas alegaram isso para justificar a falta de continência, ou ainda se elas próprias se censuraram sozinhas com medo do mimimi. Sem omissões por ideologia, ok?

– Como eu havia tuitado no dia 7, após o medalhista brasileiro de prata Felipe Wu prestar continência no pódio do tiro esportivo e irritar duplamente os desarmamentistas anti-militares:

Continua após a publicidade

tuite continencia

2.

Rodrigo Janot disse que riu do boneco inflável que o satirizou em protestos de rua, mas afirmou que ele pode ter consequências jurídicas:

“É a palavra pejorativa no boneco que a meu ver imputa no mínimo prevaricação. Qual a carga semântica dessa palavra petralha? Ela vem das revistas em quadrinhos, dos irmãos Metralhas, que eram criminosos. E retrata um sujeito, que é do Ministério Público, que tem por obrigação constitucional a investigação de crimes. (A palavra idica) que eu prevarico na minha atividade, porque eu sou tão bandido como uma turma que eu não investigo por causa da prevaricação”, alegou o procurador-geral da República.

Continua após a publicidade

“É por isso que eu acho que a mensagem contida no boneco é merece, sim, uma análise jurídica. O boneco em si, eu morri de rir. Mas chamar de petralha e fazer essa imputação de crime, isso tem consequência jurídica”, disse.

Comento:

– Na verdade, o boneco leva a palavra “petralhas” escrita na gaveta de inquérito dos investigados considerados “petralhas” e não como identificação de Janot, que deve ter tido seus motivos para vestir a carapuça. Tanto que a palavra está no plural.

petralhas

Continua após a publicidade

– A menos que Janot seja Ricardo Lewandowski e vice-versa, uma “análise jurídica” mínima mostraria que o PGR é uma pessoa só, o que não deixa evidente a interpretação de que foi chamado de “petralha”, muito menos de que foi acusado de prevaricação.

– Uma análise jurídica mínima também mostraria que a eventual crítica poderia ser interpretada simplesmente como a de que Janot politiza investigações, ou usa “dois pesos, duas medidas” para partidos distintos – considerações estas absolutamente legítimas sobre a atuação de um servidor público em qualquer democracia, sem necessariamente pressupor o cometimento de crime algum.

– Ainda que o recado compreendido por Janot tivesse sido mais direto, criminalizar a inscrição “petralha” em boneco inflável é o cúmulo do melindre. Quando um apelido irônico com base em quadrinhos vira acusação de prevaricação passível de processo, você sabe que está na República do Mimimi.

– Repito pela enésima vez:

Continua após a publicidade

Henry Ward Beecher dizia: “Uma pessoa sem senso de humor é como uma carroça sem molas – sacudida por cada pedrinha na estrada.” O politicamente correto tirou as molas de todo mundo e ainda entregou outras pedras na mão dizendo: atira em quem te sacudir!

– Relembro meu vídeo de julho sobre a censura de Lewandowski contra bonecos:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=Z7r8GrtrjnA?feature=oembed&w=500&h=375%5D

* Relembre também aqui no blog:
Sabe de nada, inocente
Contra o melindre

Felipe Moura Brasil ⎯ https://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Siga no Twitter, no Facebook e no Youtube.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.