Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Em Cartaz Por Raquel Carneiro Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca

‘Top Gun: Maverick’: Tom Cruise vive ressaca do patriotismo nos ares

Se no primeiro filme as cenas eram feitas por dublê, agora o astro desfila habilidades físicas invejáveis e a capacidade de pilotar caças

Por Raquel Carneiro Atualizado em 24 Maio 2022, 18h07 - Publicado em 20 Maio 2022, 06h00

Trajando um imponente uniforme da Marinha e condecorações no peito, o comandante conhecido como Viper descrevia para jovens pilotos a razão da existência do Top Gun, programa de treinamento americano para aviadores navais de elite. Em 1986, sob a ressaca do Vietnã e da Guerra Fria, os Estados Unidos não estavam em conflito direto com nenhum país. Mas era preciso “estar sempre pronto”, ressaltava o militar vivido por Tom Skerritt. Desenhava-se ali o contorno que pautaria a ação de Top Gun: Ases Indomáveis (1986): em um mundo sem inimigo definido, a belicosidade americana deveria manter sua supremacia — nem que fosse só no campo da ficção.

Caso raro numa indústria que adora franquias, o arrasa-quarteirão levou 36 anos para ganhar, enfim, uma sequência: na quinta-feira 26 chega aos cinemas Top Gun: Maverick, com Tom Cruise de novo no papel do piloto Pete “Maverick” Mitchell. Aos 59 anos, o ator deixa sua versão de 20 e poucos no chinelo. Se no primeiro filme as cenas eram feitas por dublê, aqui Cruise desfila habilidades físicas invejáveis e a capacidade de pilotar caças — o astro conduz de verdade as aeronaves supervelozes.

SAIA-JUSTA - Cruise e Kelly McGillis no primeiro filme: a atriz não foi convidada para a sequência de 2022 -
SAIA-JUSTA - Cruise e Kelly McGillis no primeiro filme: a atriz não foi convidada para a sequência de 2022 – Paramount Pictures/.

Curiosamente, a demora da continuação estava diretamente ligada ao conturbado clima político dos Estados Unidos nos últimos anos. A ideia do “herói americano” foi esmorecendo conforme se acumularam casos de depressão e estresse pós-traumático entre os veteranos de guerra. Nos anos 1990, o cinema lançou títulos exemplares em sua crítica à glamorização dos conflitos armados. Entre eles, Nascido em 4 de Julho (1989), uma dura crítica do diretor Oliver Stone protagonizada por ele mesmo, Tom Cruise. Na época, o ator afirmou que uma continuação de Top Gun seria uma “irresponsabilidade”. “Top Gun foi visto como um filme da direita para promover a Marinha. Mas aquilo não é a guerra: Top Gun é um parque de diversões que não tem nada a ver com a realidade”, disse então Cruise, um democrata declarado.

Top Gun Boné

Feito com aval do Pentágono, o Top Gun original foi, de fato, uma propaganda militar de luxo. O governo americano liberou navios, aviões e pilotos profissionais para o filme, tendo em troca o direito de palpitar no roteiro — além de botar estandes nas saídas dos cinemas, para o alistamento de jovens inebriados pela adrenalina na tela. Na sequência, o clima é outro. Maverick, o piloto rebelde, abandona o patriotismo vazio para abraçar outras causas: ainda traumatizado com a perda do melhor amigo, Nick Goose (Anthony Edwards), morto em um treinamento no primeiro filme, ele terá de reaprender habilidades sociais básicas, como a confiança, o trabalho em equipe e a importância da família.

Top Gun – Edição de Colecionador (Duplo com Imã)

Parece piegas, mas o filme reflete um sentimento real na sociedade americana — tanto que Maverick não está sozinho. Uma nova safra de produções sobre pessoas “quebradas” pela guerra despontou na era pós-Trump, mostrando a vida de ex-soldados que passaram pelo Iraque e pelo Afeganistão. Somou-se a isso algum rescaldo do Vietnã: o longa Destacamento Blood (2020), de Spike Lee, e a série dramática This Is Us, atualmente em sua sexta e última temporada, trazem veteranos marcados pela experiência desnecessária do confronto na Península da Indochina.

VIDA DE CÃO - Tatum e Lulu: duas criaturas marcadas pela guerra no Iraque -
VIDA DE CÃO – Tatum e Lulu: duas criaturas marcadas pela guerra no Iraque – Hilary Bronwyn Gayle/SMPSP/.

Exemplar da nova safra, Dog — A Aventura de uma Vida, em cartaz nos cinemas, é uma dramédia saborosa protagonizada e codirigida por Channing Tatum, um ex-soldado sem perspectivas após a Guerra do Iraque que deseja voltar ao combate. Um traumatismo craniano sofrido no front impede Briggs (Tatum), entretanto, de vestir a farda novamente. Então, ele aceita uma missão aparentemente simples para provar seu valor: é incumbido de levar Lulu, um pastor-belga militar, ao enterro de seu dono, um colega do Exército que cometera suicídio. Violenta e ansiosa, Lulu, uma cachorra treinada para matar seres humanos, está tão ou mais traumatizada que Briggs. A viagem logo se torna uma terapia para ambos.

Continua após a publicidade

Tom Cruise: Biografia Não-Autorizada

Em Top Gun: Maverick, o personagem de Cruise também tem pontas soltas a resolver. O piloto vive de forma solitária desde a morte de Goose — uma desculpa para a ausência de seu par romântico de 1986, vivido por Kelly McGillis, que acusou a produção do novo filme de tê-la esnobado pela aparência envelhecida. Ele é convocado por Iceman (Val Kilmer, numa ponta emotiva; leia abaixo) para treinar uma nova geração de pilotos. Entre os jovens está Bradley “Rooster” Bradshaw (Miles Teller), filho de Goose, por quem Maverick desenvolve uma tensa ligação paternal. O drama é pano de fundo para a verdadeira graça de Top Gun: relacionamentos são complicados, mas ficam absurdamente divertidos quando acontecem entre ousadas acrobacias no céu.

O galã que sumiu de cena

MELANCOLIA - Kilmer: documentário Val narra altos e baixos do ator -
MELANCOLIA - Kilmer: documentário Val narra altos e baixos do ator – Paramount Pictures/.

Uma das exigências de Tom Cruise para voltar ao set de Top Gun era a presença de Val Kilmer, de 62 anos, no elenco. A dupla de rivais foi um tempero extra no filme de 1986 — e o sucesso fez deles galãs cobiçados, dando fim à era dos brucutus Sylvester Stallone e Arnold Schwarzenegger. A trajetória dos dois, porém, seguiu por trilhas distantes. Enquanto Cruise cresceu em popularidade e relevância, Kilmer chegou ao ápice em Batman Eternamente (1995) e logo ganhou o selo de “difícil”.

Honesto, o ator relembrou o passado profissional e familiar no ótimo documentário Val (2021), do Prime Video, da Amazon. Em um mosaico de cenas caseiras, filmadas por ele ao longo de quarenta anos, a produção destrincha desde dramas pessoais, como a morte de um de seus irmãos, até a explosão da fama e suas consequências. Dedicado, Kilmer começou na Broadway e almejava ser um ator de prestígio — plano afetado por suas manias e comportamento errático.

Diagnosticado em 2015 com um câncer de garganta, que lhe tirou a voz e minou sua aparência, Kilmer lamenta viver da nostalgia, ganhando dinheiro em eventos de fãs. Acabou sendo recompensado agora com o presente de sua breve mas marcante participação em Top Gun: Maverick.

Publicado em VEJA de 25 de maio de 2022, edição nº 2790

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Top Gun Boné
Top Gun Boné
Top Gun - Edição de Colecionador (Duplo com Imã)
Top Gun – Edição de Colecionador (Duplo com Imã)
Tom Cruise: Biografia Não-Autorizada
Tom Cruise: Biografia Não-Autorizada

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)