Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Em Cartaz Por Raquel Carneiro Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca

Super-heróis da Marvel são os novos (e poderosos) inimigos da China

Após anos de uma relação amigável – e muito lucrativa – país agora torce o nariz para o posicionamento político dos filmes do estúdio

Por Raquel Carneiro 12 Maio 2022, 16h39

Um detalhe aparentemente insignificante em Doutor Estranho no Multiverso da Loucura causou celeuma entre a Marvel e o governo chinês. Enquanto o herói vivido por Benedict Cumberbatch luta contra um monstro nas ruas de Nova York, aparece, na calçada, um totem com jornais do The Epoch Times, publicação vocal contra o Partido Comunista Chinês. O detalhe – o qual a Disney ainda não explicou a razão de estar em cena – é apontado como o motivo para a longa demora da censura chinesa em aprovar uma data de estreia para o filme no país. A essa altura, a esperança é que a superprodução não entre em cartaz por lá, o que pode causar à Marvel um prejuízo de 300 milhões de dólares – ou mais.

O boicote a Doutor Estranho é apenas a cereja do bolo de uma crescente briga ideológica. O último filme da Marvel a ser lançado na China foi Vingadores: Ultimato, em 2019, que arrebanhou por lá 629 milhões de dólares. Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis, primeiro filme da Marvel protagonizado por um herói chinês, vivido por Simu Liu, foi barrado por comentários críticos do ator sobre o próprio país. Viúva Negra, acredita-se, não passou pelo crivo por sua trama contra a União Soviética e, consequentemente, anti-comunista. Outra teoria ecoa no meio: todos podem ser parte de um grande boicote da China contra Chloé Zhao. A cineasta chinesa, contratada pela Disney para conduzir o filme Eternos, disse em uma entrevista que seu país é “guiado por mentiras por todos os lados”. Logo, Chloé acabou “cancelada” por sua terra natal. 

NO SET - Chloé Zhao instrui Madden: inspiração nos mangás -
NO SET DE ETERNOS – Chloé Zhao instrui Madden: inspiração nos mangás – Sophie Mutevelian/Marvel Studios/.

A relação do estúdio hollywoodiano e do gigantesco país oriental nem sempre foi assim – mas era de se esperar que chegaria a essa ruptura. No início dos anos 2010, a Marvel e outros estúdios americanos passaram a mudar seus roteiros para se encaixar no “padrão censura chinês”. A presença de atores chineses nos roteiros americanos aumentou, assim como gravações no país, e até edições específicas foram usadas na estratégia para conseguir uma vaga nas salas de cinema.  Além do escrutínio da censura, a China ainda limita a 34 o número de estreias internacionais, com a desculpa de que prefere proteger a produção nacional – antes, o número de filmes gringos a entrar em cartaz era limitado a 20.

Era de se imaginar que essa lua de mel chegaria ao fim. Defensora de pautas progressistas, como a bandeira LGBT – tema presente no segundo Doutor Estranho e que causa arrepio à censura chinesa–, a Marvel e outros estúdios se viram diante da questão: vamos editar nossos filmes e contratar profissionais pautados pelas premissas ideológicas da China? A resposta, cada vez mais, é não – mesmo que centenas de milhões de dólares sejam sacrificados. Que assim continue.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês