Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

‘Criaturas do Senhor’: o dilema de uma mãe diante do inominável

Os atores Emily Watson e Paul Mescal brilham como mãe e filho em um filme com trama sutil sobre ética e justiça

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
15 abr 2023, 08h00

Um vilarejo pesqueiro na Irlanda vive uma relação conturbada com o oceano e sua força indomável: ao mesmo tempo que o mar provê o sustento e movimenta a economia da pequena comunidade, vira e mexe ele também toma para si pescadores — geralmente homens que morrem afogados diante da maré rápida e traiçoeira. Uma dessas mortes acontece no início do filme Criaturas do Senhor (God’s Creatures; Irlanda; 2022), em cartaz nos cinemas. Durante o funeral do rapaz, uma jovem mãe avisa, com o bebê no colo, que logo vai ensinar o pequeno a nadar para evitar uma tragédia similar em sua vida. As mulheres mais velhas a repreendem: os que aprendem a nadar podem morrer tentando salvar os demais. A lógica mesquinha diz muito sobre a falsa ideia de comunidade do local: apesar de comerem juntos, dividirem fardos e também lucros, as pessoas dali estão acostumadas a passar seus interesses na frente dos de seus semelhantes.

Women Talking

Aileen (a impecável Emily Watson) parece alguém que foge à regra. Gentil e trabalhadora, ela é gerente da principal peixaria da cidade, onde mulheres limpam e preparam os peixes e frutos do mar para serem comercializados. Quando o filho que ela não via há anos volta para casa, sem aviso prévio, ela explode de alegria — nem questiona o real motivo do misterioso retorno. Isso até o rapaz (Paul Mescal) ser acusado de estupro por uma jovem do vilarejo — e Aileen, em choque, mentir para a polícia a fim de lhe garantir um álibi.

O conto da aia

Continua após a publicidade

Exemplar de uma onda de filmes recentes sobre abusos sexuais, como os irretocáveis Tár e Entre Mulheres — e uma clara resposta do meio ao movimento antiassédio MeToo —, o longa das diretoras americanas Saela Davis e Anna Rose Holmer opta por um ponto de vista peculiar: saem do protagonismo a vítima, o abusador e até a investigação policial para dar espaço ao incrédulo olhar da mãe do criminoso. Assim, o roteiro levanta questões éticas delicadas sobre os limites da proteção materna e a dificuldade de uma mãe em enxergar o lado sombrio de seus filhos. Sem testemunhar o crime ou ter uma confissão do rapaz, Aileen abraça o autoengano: para ela, o filho que a trata como uma rainha não seria capaz de atacar alguém; logo, a moça que o acusou deve ter se enganado ou agiu de má-fé.

Os Testamentos

O espectador também não testemunha o crime, mas vê as marcas do trauma na vítima — outra escolha sutil das cineastas. É da boca da jovem atacada que sai o título do filme: “Somos todas criaturas do Senhor”, diz ela, ao per­doar um desafeto. A frase, porém, ganha outro sentido ao longo do filme: ninguém está acima do bem e do mal. Mãe e filho vão provar da lição.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 19 de abril de 2023, edição nº 2837

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Women Talking
Women Talking
O conto da aia
O conto da aia
Os Testamentos
Os Testamentos

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.