Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

‘Central do Brasil’, 25 anos: Como o filme tocou o mundo e chegou ao Oscar

Produção com Fernanda Montenegro caiu nas graças da crítica gringa em 1998, arrebanhando prêmios e elogios

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
3 abr 2023, 10h02

Um trem para na estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro, e antes mesmo de abrir suas portas já é tomado por um mar de pessoas que entram com uma habilidade impressionante pelas janelas. Quando a idosa Dora (Fernanda Montenegro) e outros que usam as portas entram no transporte público, eles já devem se contentar com o espaço em pé e apertado entre os corpos que se acotovelam. Esse detalhe do filme Central do Brasil chamou a atenção do famoso crítico de cinema Roger Ebert, que em 1998, não economizou elogios ao longa de Walter Salles — o filme saiu vencedor do Festival de Berlim, do Bafta e do Globo de Ouro e conquistou duas indicações ao Oscar: de melhor filme internacional e a histórica nomeação de Fernanda ao troféu de melhor atriz (o qual foi para as mãos de Gwyneth Paltrow, pelo superestimado Shakespeare Apaixonado). Ebert, aliás, destaca que a maior qualidade de Central do Brasil reside na atriz protagonista. “Fernanda é uma atriz que resiste a qualquer tentação de cair no sentimentalismo”, disse o crítico.

Dora é uma professora aposentada que escreve cartas para analfabetos para complementar sua renda. Ela passa o dia em uma mesinha na Central do Brasil, ouvindo histórias diversas, até se deparar com Josué (Vinicius de Oliveira) e sua mãe – que morre em num acidente saindo da estação de trem. Dora e Josué são duas personalidades difíceis e duras, mas ambos vão se conectar na longa viagem de ônibus e caminhão que empreendem entre Rio de Janeiro e Pernambuco na busca pelo pai do garoto. Antes de estrear no Brasil no dia 3 de abril de 1998, o filme foi exibido em festivais da Europa e Estados Unidos, arrebanhando elogios que serviram de porta de entrada para as premiações mundiais.

A história de contornos tão locais conquistou a crítica gringa pela boa condução de Salles. O jornal The Washington Post ressaltou o trabalho do diretor e seu passado de documentarista. “Walter Salles claramente acredita em histórias honestas. Ele não brinca com as emoções alheias: ele as evoca com o poder de seu trabalho.”

A parceria de Salles com Fernanda foi também o destaque da crítica do renomado jornal The New York Times. “Uma narrativa belíssima e interpretada com bravura pela atriz brasileira Fernanda Montenegro, o filme observa de forma graciosa este estranho par de personagens desenvolvendo um laço tênue que vai tocar a ambos profundamente. A experiência de Salles como documentarista ainda adiciona a esse adorável filme um forte senso sobre os dilemas sociais brasileiros enquanto viaja pelas paisagens de sua área rural mais humilde.”

A revista especializada Variety vai mais longe na análise, e crava a analogia de que a jornada de Dora e Josué serve como um espelho de um país em transição entre o velho e as novas possibilidades. Uma junção que os brasileiros ainda estão experimentando, 25 anos depois de Central do Brasil comover o mundo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.