Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Blog É tudo história É tudo história Por Coluna O que é fato e ficção em filmes e séries baseados em casos reais

O real e a ficção em ‘King Richard’, filme sobre pai das irmãs Williams

Protagonizado por Will Smith, longa acompanha a obstinação do patriarca em transformar as filhas em campeãs mundiais do tênis

Por Amanda Capuano Atualizado em 10 jan 2022, 15h38 - Publicado em 10 jan 2022, 10h46

Serena Williams é uma das maiores tenistas de todos os tempos, e sua irmã Venus não fica para trás no talento. Jogando em dupla ou nas categorias individuais, as duas estabeleceram uma dinastia no esporte que começou com um plano quase profético do pai. Enquanto assistia ao French Open no final dos anos 1970, Richard Williams viu a vencedora do campeonato levar um prêmio de 40.000 dólares. Ele quis então não só ter mais duas filhas como decidiu fazer delas campeãs do esporte, traçando um plano detalhado para o estrelato antes mesmo do nascimento das garotas. A história do pai obstinado que levou Venus e Serena ao topo do ranking mundial ganhou as telas do cinema em King Richard: Criando Campeãs, que chegou na sexta-feira, 7, ao HBO Max. Na trama, Richard é interpretado por Will Smith, altamente cotado ao Oscar pelo papel. A imagem do pai amoroso e dedicado, porém, não é unânime. VEJA apurou o que na história é fato e o que bebe da ficção. Confira:

Destino traçado antes do nascimento 

/
Will Smith como Richard Williams em cena de King Richard Divulgação/VEJA

Em mais de uma cena, Richard Williams tenta persuadir técnicos a treinarem Venus e Serena argumentando que ele traçou um plano de 78 páginas para que elas sejam grandes campeãs, antes mesmo do nascimento das garotas. Embora a ideia pareça estranha, isso de fato aconteceu. Em sua biografia, Richard conta que estava assistindo ao French Open de 1978 na televisão quando viu a vencedora receber um cheque de 40.000 dólares. Ele então disse à esposa que eles teriam mais duas filhas, que elas seriam campeãs de tênis e que ficariam ricos. Ela não gostou muito da ideia, então, Richard escondeu os anticoncepcionais da esposa — algo que o filme não mostra. O plano de 78 páginas veio logo depois da conversa com a mulher, quando ele mergulhou em revistas e vídeos do esporte e entrou em um clube de tênis para aprender a modalidade.

Sem torneios juvenis 

/
Cena de King Richards em que Venus Williams (Saniyya Sidney) ganha torneio Divulgação/VEJA

Durante boa parte do filme, Richard entra em conflito com os treinadores de Venus e Serena por não querer que elas participem de torneios juvenis. Como mostra o longa, as irmãs costumavam jogar nas competições, mas o pai suspendeu a participação das garotas nos jogos para que não “se perdessem” como outros jovens prodígios. No longa, sua decisão é reforçada ao ver uma notícia sobre a jogadora Jennifer Capriati, então com 18 anos, presa com maconha. Richard realmente citou o caso em uma entrevista ao Washington Post quando questionado sobre o assunto. “Ouvimos muitas coisas sobre Jennifer Capriati e Andrea Jaeger, mas há vários outros juniores que você nunca vai ouvir falar”, falou sobre os talentos juvenis que tiveram dilemas pessoais no caminho. 

Pai bondoso e dedicado 

/
Família Williams em cena de King Richard Divulgação/VEJA

O filme mostra Richard Williams como um pai sempre presente e devoto dos filhos. Ele, inclusive, chega a dizer que não seria como o próprio pai, que abandonou a família. Durante uma briga do casal, porém, a esposa de Richard traz à tona um filho mais velho que ele teve antes do casamento. Na vida real, Richard não teve apenas um filho fora do casamento, mas vários. Sua primogênita, Sabrina Williams, abandonada aos 8 anos, descreve Richard como um “doador de esperma” e chegou a afirmar que o pai era um “traidor em série”. Ela ainda afirmou em entrevista ao Page Six que o pai tem entre 15 e 19 filhos espalhados pelos Estados Unidos — uma imagem que passa longe da demonstrada pelo filme. Em relação a Venus e Serena, Richard era de fato presente, mas sua obsessão pelo sucesso das garotas chegava a níveis preocupantes. Rick Macci, um dos técnicos das atletas, revelou ao site Biography que Richard costumava quebrar garrafas de vidro e jogar no fundo da quadra para que as garotas não recuassem demais e usava bolas velhas para forçá-las a correr mais.

Richard e a execução de um homem na sua frente 

/
Will Smith em cena como Richard Williams Divulgação/VEJA
Continua após a publicidade

Em uma cena do filme, Richard pega sua arma usada no trabalho como segurança e vai atrás dos membros da gangue que o espancaram pouco antes. Ele encontra um deles em frente a um mercado e se aproxima empunhando o revólver. Antes que possa fazer qualquer coisa, um carro em alta velocidade passa e executa o homem com uma série de tiros na frente de Richard, que deixa o local assustado. Na vida real, ele nunca presenciou a execução. Conforme relata em sua biografia, o pai das garotas até chegou a ir atrás dos membros da gangue, mas não encontrou nenhum deles e acabou desistindo. No caminho para casa, se deparou com um tumulto de policiais e ambulâncias e foi checar o que havia acontecido. Foi então que ele viu um dos caras que o haviam espancado morto.

Denúncia de abuso por parte dos vizinhos 

/
Cena de King Richard em que autoridades visitam a casa da família Williams depois de receberem denúncias de abuso Divulgação/VEJA

Richard Williams foi extremamente rígido com o treinamento das filhas, o que preocupava os vizinhos. Em uma passagem de seu livro de memórias, ele conta que chamaram a polícia para denunciá-lo por abuso, já que as filhas eram forçadas a estudar e treinar por horas a fio. No longa, fica subentendido que a denúncia parte de uma das vizinhas, que já havia entrado em conflito com Richard pelo tratamento dado às garotas. Quando as autoridades vão ao local investigar, são recebidos por um Richard furioso, que faz um discurso sobre como faz de tudo para afastar as garotas do mau caminho. Na vida real, a justificativa foi a mesma: ele não queria que as garotas fossem “sugadas para uma cultura de drogas e pessoas ruins” de um bairro pobre.

A número 1 x a melhor de todos os tempos

/
Demi Singleton como Serena Williams (a esquerda) e Saniyya Sidney como Venus Williams (a direita) Divulgação/VEJA

Por ser a mais velha, Venus é a que desponta primeiro, e ganha maior atenção no filme, enquanto Serena se revela a criança talentosa, mas sob a sombra da irmã. No final do longa, porém, Richard vai conversar com a filha mais nova e diz que sua hora irá chegar. Ele a conforta dizendo que Venus logo será a número 1 do mundo, mas Serena se tornará a melhor de todos os tempos. Embora a frase pareça premonitória demais para ser fruto da realidade, ela de fato foi proferida pelo patriarca à Serena quando ela tinha 12 anos de idade. Em uma entrevista no início dos anos 1990, Richard também diz que apesar de Venus ser a estrela do momento, Serena é quem será a melhor jogadora — como de fato aconteceu.

Interrompendo entrevista

/
Entrevista de Richard Williams em King Richard Divulgação/VEJA

Quando Richard finalmente cede e deixa Venus participar de torneios, aos 14 anos, a garota é questionada por um repórter se ela acha que conseguirá vencer. Venus responde que sim, e o jornalista põe em xeque a confiança da garota, já que ela não joga uma partida profissional há anos. Irritado com a insistência, Richard interrompe a entrevista dizendo que a filha está confiante, e que ele deveria deixá-la em paz já que respondeu desde o início que pode vencer. A cena foi tirada diretamente de uma entrevista de Venus para a ABC News Day One, e a interrupção de Richard é retratada fielmente, assim como as respostas da atleta. O repórter, porém, não trouxe à tona o fato de a garota não jogar há muito tempo, e a entrevista verdadeira aconteceu em um estúdio, e não no clube de treinamento como mostra o longa.

Partida contra a número 2 do mundo 

/
Venus Williams (Saniyya Sidney) e oponente Divulgação/VEJA

Venus realmente jogou contra Arantxa Sánchez Vicario, então a segunda melhor do ranking mundial, em seu torneio de estreia, e quase venceu. Como mostra o longa, a estreante ganhou o primeiro set por 6-2 e liderava o segundo por 3-1 quando Vicario pediu uma pausa para ir ao banheiro. Não se sabe exatamente o que ela fez durante esse tempo, mas acredita-se que era uma estratégia para esfriar Venus, como pinta o longa. No retorno à quadra, assim como no filme, Vicario virou o segundo set e venceu o terceiro, impondo à estreante sua primeira derrota.

Continua após a publicidade

Publicidade