Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

É tudo história Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
O que é fato e ficção em filmes e séries baseados em casos reais
Continua após publicidade

‘Napoleão’: 3 escorregões históricos do filme com Joaquin Phoenix

Produção de Ridley Scott toma algumas liberdades poéticas para contar a trajetória do ex-imperador da França

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 28 nov 2023, 08h43 - Publicado em 28 nov 2023, 08h00

Dirigido por Ridley Scott e com Joaquin Phoenix no protagonismo, o filme Napoleão chegou aos cinemas na semana passada e rapidamente mostrou resultado em bilheteria. Criticado por historiadores, especialmente franceses, o longa se vale de algumas liberdades históricas para passar ideias básicas sobre a índole do personagem. Confira a seguir os três erros mais drásticos.

Decapitação de Maria Antonieta

Maria Antonieta no filme 'Napoleão' -
Maria Antonieta no filme ‘Napoleão’ – (//Reprodução)

O filme começa com a cena da decapitação da rainha da França Maria Antonieta, em 16 de outubro de 1793, na Praça da Concórdia, em Paris. Na multidão, um jovem Napoleão Bonaparte assiste ao momento. Na vida real, ele estava há mais de 800 km de distância de Paris – Napoleão comandava o exército no Cerco de Toulon, conflito que retomou para a França a região portuária das mãos dos britânicos. Aqui, a intenção do diretor era situar a história do futuro imperador com a queda da monarquia francesa.

Continua após a publicidade

Ataque às pirâmides

Pirâmides atacadas em cena do filme 'Napoleão' -
Pirâmides atacadas em cena do filme ‘Napoleão’ – (//Reprodução)

Em julho de 1798, Napoleão conduziu a Batalha das Pirâmides, no Egito, momento apresentado no filme como início da dominação napoleônica. Ridley Scott, porém, tomou uma liberdade e tanto nesta reprodução: no longa, o exército francês atira no topo de uma das pirâmides. Segundo diversos historiadores, isso não aconteceu – até um dos especialistas em Napoleão que trabalhou como consultor do filme disse ter avisado o diretor sobre a impossibilidade da cena. “Eu disse ao Ridley: ‘sério? Atirar no topo das pirâmides?’, e ele respondeu: ‘Bem, você riu, não é mesmo’”, disse o professor Michael Broers. “Foi ali que eu entendi que estávamos fazendo um filme, e não um documentário”, reforçou o especialista. Uma lenda antiga afirma, ainda, que foi Napoleão quem atirou no nariz da Esfinge, outro ponto egípcio icônico. Porém, é amplamente documentado que o nariz danificado no monumento já estava assim bem antes da chegada da tropa francesa. 

Continua após a publicidade

Idades desiguais 

Vanessa Kirby como Josephine: esposa era mais velha que Napoleão
Vanessa Kirby como Josephine: esposa era mais velha que Napoleão (Aidan Monaghan/Apple/.)

Se não se importou em retratar uma batalha sem desvios, Ridley Scott, então, se importou menos ainda em colocar na tela Napoleão e Josephine, esposa do general, com as idades corretas. Joaquin Phoenix tem 49 anos e interpreta Napoleão em todas as fases, dos 24 anos, quando Maria Antonieta é morta, até os 51, quando ele morre. A maquiagem do ator muda muito pouco entre uma ponta e outra, especialmente quando ele é mais novo – o que não aparenta. O retrato de Josephine (vivida por Vanessa Kirby) é ainda mais errôneo – e muito hollywoodiano. A esposa de Napoleão era seis anos mais velha que ele, enquanto Vanessa Kirby é catorze anos mais nova que Joaquin Phoenix. A diferença entre eles é óbvia desde a primeira cena – e, enquanto ele envelhece, ela muda muito pouco de aparência. Relatos ainda sugerem que Josephine tinha uma dentição precária, por ser viciada em açúcar. Vanessa, claro, não padece do mesmo mal e tem o sorriso perfeito. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.