Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Blog É tudo história É tudo história Por Coluna O que é fato e ficção em filmes e séries baseados em casos reais

‘A Escada’: O controverso caso real que inspirou a minissérie da HBO Max

Protagonizada por Colin Firth e Toni Collette, produção revê o caso da morte de Kathleen Peterson, esposa do escritor Michael Peterson, acusado de matá-la

Por Marcelo Canquerino 24 Maio 2022, 11h09

No dia 9 de dezembro de 2001, durante a madrugada, o escritor Michael Peterson ligou desesperado para a emergência: sua esposa, Kathleen, havia caído da escada. Na primeira ligação, ele disse que a mulher ainda respirava. Poucos minutos depois, na segunda chamada, Michael falou que não havia mais sinais de respiração. Quando a polícia chegou até a residência do casal em Durham, na Carolina do Norte, e analisou a cena, logo cravou que a morte de Kathleen parecia mais um homicídio do que um acidente — e Michael se tornou o principal suspeito. O caso é retratado na intrigante minissérie A Escada, da plataforma HBO Max em oito episódios — que estão sendo liberados semanalmente. Protagonizada por Colin Firth e Toni Collette, a produção observa o caso de forma dramática, trazendo à tona desde as circunstâncias bizarras da morte de Kathleen até o julgamento de Michael, num jogo acachapante entre as versões sobre a verdade. 

A história real, que também já inspirou um documentário de treze episódios chamado The Staircase, da Netflix, esconde uma amálgama de situações suspeitas. A começar pela aparente perfeição da vida do casal. Os dois se conheceram em 1986 e, três anos depois, juntaram suas famílias e foram morar juntos. Kathleen tinha uma filha, Caitlin Atwater, enquanto Michael tinha dois filhos biológicos, Clayton e Todd Peterson, e duas filhas adotivas, Margaret e Martha Ratliff. A grande família esbanjava felicidade, mas com a morte da matriarca muitos segredos foram revelados — principalmente sobre a vida privada de Michael.

Segundo a perícia, a morte de Kathleen não parecia ter sido provocada por uma queda de escada porque havia muito sangue no local e ela tinha lacerações na parte de trás da cabeça. A versão que Michael sustentou até o último segundo é a de que ela morreu em um trágico acidente na escada após tomar vinho. Segundo o marido, os dois bebiam do lado de fora da casa e Kathleen foi para o quarto mais cedo enquanto ele ficou na beira da piscina fumando. Pouco depois, Michael ouviu um barulho e encontrou a mulher morta no pé da escada. 

O patriarca da família foi acusado de assassinato em 20 de dezembro de 2001. Durante o julgamento muitas evidências foram levantadas contra ele. De acordo com a autópsia, sua esposa estava com o nível de álcool no sangue tão baixo durante a morte que até passaria pelo teste do bafômetro — diferente do que ele havia alegado. A polícia também encontrou no computador de Michael várias fotos de homens nus e contatos dele com um garoto de programa. Além disso, o tribunal levantou uma suspeita de assassinato por dinheiro, já que a família estava com problemas financeiros e Kathleen tinha um seguro de vida avaliado em 1,8 milhão de dólares na época. 

Outra evidência bizarra que contribuiu para a sentença foi a morte de uma amiga de Michael sob condições suspeitas e parecidas com a de Kathleen. Elizabeth Ratliff, a mãe biológica das filhas que ele viria a adotar mais tarde, morreu no pé da escada de sua casa em 1985. O laudo da época havia falado que a causa da morte foi um derrame, apesar dela apresentar cortes profundos no couro cabeludo. Com as investigações do caso de Michael, o corpo de Elizabeth foi exumado e os legistas constataram que, na verdade, ela foi assassinada — apesar de Michael ter sido suspeito, ele não foi indiciado por este crime. 

Em 10 de outubro de 2003, o patriarca da família Peterson foi declarado culpado pelo assassinato da esposa e condenado à prisão perpétua. Após passar 8 anos na cadeia, em 2011, ele recebeu novo julgamento e conseguiu se livrar da pena após o juiz detectar falhas no processo. Atualmente, Michael Peterson vive em Durham, na Carolina do Norte, e já escreveu um livro em 2019 contando o seu lado da história — ele nega ser culpado pela morte da esposa. Um caso que parece longe de uma conclusão. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)