Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Dúvidas Universais Por Duda Teixeira Os fatos internacionais que desafiam a lógica e o bom-senso explicados de maneira clara e atraente. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Os gays islâmicos não trocam de posição na cama?

No post Por que os terroristas do Estado Islâmico (Isis) executam gays, mas mantêm homossexuais em suas fileiras?, argumentei que muitos muçulmanos condenam os que se comportam como passivos, mas toleram os ativos. A indagação óbvia é: eles não trocam de posição? Resposta: não. Com exceção da Turquia, não há nos países de maioria muçulmana o que se entende por […]

Por Duda Teixeira Atualizado em 30 jul 2020, 23h35 - Publicado em 3 fev 2016, 13h46
Protesto contra evento sobre gays que aconteceu na embaixada americana em Lahore, no Paquistão, em 2011

Membros do maior partido islâmico do Paquistão, o Islami Jamiat Tulba (IJT) fazem uma manifestação contra os direitos dos homossexuais em frente à embaixada americana em Lahore, em 2011. Crédito: Arif Ali, AFP

No post Por que os terroristas do Estado Islâmico (Isis) executam gays, mas mantêm homossexuais em suas fileiras?, argumentei que muitos muçulmanos condenam os que se comportam como passivos, mas toleram os ativos. A indagação óbvia é: eles não trocam de posição? Resposta: não.

Com exceção da Turquia, não há nos países de maioria muçulmana o que se entende por uma comunidade gay. Para muitos dos seus habitantes, o homossexualismo é uma praga do Ocidente. Não conseguem entender que pode haver amor e carinho entre pessoas do mesmo sexo, de igual para igual.

O que rola é outra coisa. Como no islamismo mais fanático os encontros entre homens e mulheres são rígidos e disfuncionais, desenvolveu-se ao longo dos séculos um comportamento em que homens mais velhos e casados se aproveitam dos garotos mais novos. A contragosto, os meninos acabam sendo rebaixados à mesma condição inferior das mulheres.

Os jovens fazem isso porque são forçados ou porque ganham algum presente. No Marrocos, eles são chamados de zamel. Na Turquia, de ibne. No Irã, de kuni (porque dão o kun)Não há romance ou preliminares. Aos 16 anos, entende-se que o garoto deve parar de permitir esse tipo de coisa e esquecer pelo que passou. Depois de casado com uma mulher, ele poderá assumir o papel de ativo com os mais novos. É a única vez na vida em que troca de posição.

A casa só cai quando o passivo passa a gostar de ser penetrado e torna-se abertamente gay. “Se você sofre mais ou menos uma penetração porque ganhou algo em troca ou porque foi forçado, isso é visto como algo ruim. Mas gostar de ser o passivo é pior”, escreveu Arno Schmitt, editor do livro Sexuality and eroticism among males in Moslem societies, de 1992, que traz depoimentos coletados em lugares como Marrocos, Síria (pré-guerra civil), Irã, Turquia, Palestina e Paquistão.

As leis desses países determinam prisão, chibatadas e morte por apedrejamento para a prática de sodomia, o sexo anal. Mas ser condenado por esse motivo é raro. Na Arábia Saudita, para que isso aconteça é necessário que o réu confesse seu delito quatro vezes ou que o ato tenha sido presenciado por quatro pessoas. Se no tribunal aparecem menos de quatro testemunhas ou uma delas é considerada sem credibilidade, todos recebem oitenta chibatadas. No Irã, a exigência de quatro testemunhas oculares também predomina. Vale lembrar: mulheres e judeus não são levados em conta pelos juízes. 

 

 

OUTRAS DÚVIDAS UNIVERSAIS

Por que os terroristas do Estado Islâmico (Isis) executam gays, mas mantêm homossexuais em suas fileiras?

Continua após a publicidade

Por que Moisés demorou 40 anos para atravessar o Sinai, que só tem 200 km de largura?

Se o paraíso islâmico tem 72 virgens, que interesse teria nele uma mulher-bomba?

Os coreanos têm preferência por alguma raça de cachorro para comer?

Na política de filho único na China, que fim levavam os gêmeos?

Por que os japoneses pescam baleias, se não comem a sua carne? 

Por que os iranianos não usam gravata?

 

Quer ser avisado sobre os próximos posts? Siga o Dúvidas Universais no Twitter e no Facebook.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês