Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Dora Kramer Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pedras no caminho

Sinal verde às assinaturas digitais nem de longe facilita a criação do partido de Bolsonaro

Por Dora Kramer Atualizado em 4 dez 2019, 08h46 - Publicado em 4 dez 2019, 08h34

Por maioria estreita (4 a 3) o Tribunal Superior Eleitoral decidiu permitir a coleta de assinaturas eletrônicas para a criação de novos partidos o que, numa primeira olhada, poderia assegurar ao presidente Jair Bolsonaro a esperança de ver a sua Aliança pelo Brasil obter o registro a tempo de concorrer às eleições municipais de 2020.

Se é que o presidente havia posto cavalos nessa chuva, conviria retirá-los. Como se sabe, são necessárias praticamente 500 mil assinaturas devidamente comprovadas e coletadas em diversos Estados para que uma nova legenda se credencie à legalização. Em tese, as eletrônicas acelerariam o processo de modo significativo. Na prática, porém, não é assim. Além de caras, e por isso mesmo, são raras no Brasil. Hoje apenas 3,78 milhões de pessoas físicas (3% do eleitorado) possuem certificados digitais.

Além disso, continuariam a depender da conferência em cartórios eleitorais posteriormente avalizadas (ou não) pelo sistema de contagem do TSE. Ou seja, haverá muito pouco ganho em termos de celeridade e nenhuma possibilidade de, sem recursos a manobras ilegítimas, a Aliança concorrer às municipais. Seus candidatos a prefeitos e vereadores terão de se abrigar em outras legendas.

Qual a dificuldade disso para Bolsonaro reunir a tropa na legenda pela qual, presume-se, concorrerá à reeleição em 2022? Imaginando-se na hipótese otimista que o novo partido esteja registrado no ano anterior (e necessariamente precisará estar até seis meses antes da eleição) o presidente ver-se-á envolvido numa batalha para que os vereadores (os prefeitos estão fora da regra) não percam os mandatos nos partidos pelos quais foram eleitos. Isso em mais de cinco mil municípios.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês