Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Dora Kramer Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Excesso de fatos

A CPI do MEC não sai porque a bola está com a velha guarda da velhíssima política

Por Dora Kramer Atualizado em 20 abr 2022, 20h53 - Publicado em 14 abr 2022, 06h00

Um dos cacoetes mais frequentes na avaliação sobre a competência de políticos é o de levar em conta resultados obtidos ignorando os métodos adotados. Quando a pessoa alcança êxitos repetidos, confere-se a ela condecoração máxima no quesito “habilidade política” e por isso passa a ser celebrada.

Aceita-se, assim, que os fins justificam os meios, costume condenado na teoria, mas muito festejado na prática. Tal celebração da esperteza em prejuízo do critério da boa conduta entre nós é um hábito, cujo prazo de validade expira quando algum escândalo dá um tombo no esperto.

Os exemplos estão aí. Tanto dos que tiveram a carreira encerrada quanto daqueles cuja reabilitação confirma o dito: alguns fundos de poço na política têm molas. E há também os que, depois de uma vida dedicada a expedientes escusos de menor porte, obtêm sucesso no repúdio a grandes malandragens, mas se juntam aos seus autores quando a necessidade bate à porta.

É o caso do presidente Jair Bolsonaro. Vai se dando muito bem em sua aliança de resultados com o Centrão, grupo a que sempre pertenceu na condição de soldado raso. Note-se, vai se dando bem segundo aqueles critérios citados acima, da esperteza chamada de habilidade. Nada a ver com probidade, transparência, legalidade e demais pré-requisitos exigidos pela Constituição ao bom exercício da administração pública.

Por aquela óptica torta, há uma avaliação corrente no mundo político, até entre gente defensora da ética no palanque, de que Bolsonaro está “fazendo tudo certo”. Seu novo/velho partido, o PL, tornou-se a maior bancada da Câmara e suas outras legendas-satélite também ganharam força, somando cerca de 200 deputados. Contingente agora organizado e bem alimentado a poder do Orçamento da União, sob as batutas de Ciro Nogueira, ministro-che­fe da Casa Civil, e Arthur Lira, presidente da Câmara.

Cenário muito diferente daquele onde se fez a CPI da Covid, em abril de 2021. As 27 assinaturas necessárias à instalação da comissão foram obtidas com facilidade e ninguém as retirou. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, tentou dar uma de mineiro joão sem braço, mas foi chamado às falas pelo Supremo Tribunal Federal.

“A CPI do MEC não sai porque a bola está com a velha guarda da velhíssima política”

Continua após a publicidade

Deu-se a CPI, com muita ajuda do governo e sua tropa de trapalhões capitaneada pelos inacreditáveis Eduardo Pazuello, na Saúde, e Onyx Lorenzoni, no Palácio. Descobriram-se armações escabrosas que, por obra do aparelhamento e esvaziamento das instâncias de fiscalização, até o momento chegaram a lugar nenhum. Sorte do mandatário os trabalhos terem se encerrado um ano antes das eleições.

Já neste crucial 2022 a história é outra. Tão diversa que é possível cravar o seguinte: a CPI do Senado para investigar denúncias graves no Ministério da Educação não se instala e, caso se instale, não funcionará. Por vários motivos, sendo o principal o fato de a bola estar nos pés e nas mãos da velha guarda da velhíssima política. Num instante, esse pessoal retirou quatro assinaturas do requerimento.

Enquanto isso, movimentava-se a bancada evangélica preocupada com o efeito do envolvimento de pastores acusados de pedir propina para intermediar liberação de verbas. Ao mesmo tempo, orquestrava-­se a grita no Congresso contra o “uso eleitoral” da CPI. Nesse aspecto, não ajuda o autor do requerimento, senador Randolfe Rodrigues, ser um dos coordenadores da campanha de Luiz Inácio da Silva.

Detalhe até irrelevante não fosse a atuação da força-tarefa desta vez montada sob o parâmetro da “habilidade política” lastreada no vale-tudo. Vale até — e talvez principalmente — mentir de modo descarado quando se alude, por exemplo, à ausência de um “fato determinado”.

Não seja por isso. Na falta de um, há vários: intermediação indevida, pedido de propina, ônibus superfaturados, “venda” de escolas inexistentes, contratos de fornecimento de material em favor de empresas comadres, favorecimento de aliados na distribuição de verbas e o que mais haveria para descobrir sob os escombros do aparelhamento do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.

Enquanto a CPI da Covid revelou ilicitudes, os escândalos precedem a CPI do MEC, que, ao que tudo indica, não ocorrerá por razão semelhante à da absolvição de Dilma Rousseff-Mi­chel Temer na Justiça Eleitoral por “excesso de provas”. Aqui há excesso de fatos sobre os quais o governo trabalha, com “habilidade política”, para esconder as provas.

Os textos dos colunistas não refletem, necessariamente, a opinião de VEJA

Publicado em VEJA de 20 de abril de 2022, edição nº 2785

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês