Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Diário da Vacina Por Laryssa Borges A repórter Laryssa Borges, de VEJA, relata sua participação em uma das mais importantes experiências científicas da atualidade: a busca da vacina contra o coronavírus. Laryssa é voluntária inscrita no programa de testagem do imunizante produzido pelo laboratório Janssen-Cilag, braço farmacêutico da Johnson & Johnson.

Voltando à clínica em busca de anticorpos criados pela vacina

Antes deste teste, o resultado do exame sorológico que fiz no dia em que recebi a vacina, em novembro, era não reagente para anticorpos da Covid

Por Laryssa Borges Atualizado em 16 dez 2020, 14h43 - Publicado em 16 dez 2020, 09h01

15 de dezembro, 7h39: Aeroportos são parque de diversões para a Covid-19. Parecem aquelas ruas de comércio popular às vésperas do Natal: lotados, com pessoas gritando, arrastando bagagens, crianças perdidas dos pais. Uma parte considerável dessas pessoas com máscaras no queixo. O terminal de Brasília está particularmente cheio na manhã desta terça-feira, quando estou prestes a embarcar para mais uma rodada de testes como voluntária em busca de uma vacina contra o novo coronavírus.

8h19: No portão de embarque, fujo de uma senhora que certamente acha que máscaras são uma medida exagerada (e sabotadora da maquiagem que ela usa). Ela tem uma versão tupiniquim de um face shield. Na verdade, um misto de apoiador de queixo e porta-saliva feito de acetato que permite que retoque o batom e finja estar protegida contra o vírus. Incrédula, vou para o outro lado do saguão. Ela vai embarcar no mesmo voo que eu.

9h39: A cidadã não só embarca, como ocupa a mesma fileira em que estou. Não mais do que 50 centímetros nos distanciam. Não há palavras que expliquem o que senti. Minha presença naquele voo poderia ser resumida como “A Arte de Fazer Inimigos”. Faço uma notificação formal no 0800 da companhia aérea pelo descaso. Reclamo de terem a deixado embarcar e contesto a utilidade de uma máscara que nem máscara é: o objeto se resume a um acetato sobreposto na boca, que deixa o nariz completamente descoberto. Envio a foto da anti-máscara para a atendente do meu protesto ter a exata noção do que estou falando. Se eu ainda não tiver criado anticorpos contra a Covid, o novo coronavírus teve sua grande chance hoje.

13h19: Chego à clínica, no Rio de Janeiro, com um frio na barriga. Sou a oitava voluntária do dia a me apresentar para a nova bateria de exames, desta vez a coleta de sangue para ver se desenvolvi anticorpos contra a Covid após ter recebido a vacina experimental (ou placebo) no dia 17 de novembro. A médica que havia me sugerido beber cerveja semanas antes para selar minha participação como auxiliar no estudo clínico me cumprimenta. Nos últimos dias, cerca de 20 voluntários já passaram por esta nova etapa.

13h41: Me mostram o resultado do exame sorológico que fiz no dia em que recebi a vacina: não reagente para anticorpos da Covid. Como ferrenha defensora do isolamento social, era mais do que esperado. Que os testes de hoje sejam diferentes. Que meu corpo tenha criado proteção contra o virus que já matou mais de 181.000 brasileiros.

13h57: Sou levada para a coleta de sangue. Um mini engradado com espaço para 40 ampolas é colocado na minha frente. Três tubinhos de sangue de 5 ml cada, identificados com tampa amarela e um QR Code no lugar do meu nome, são retirados do meu braço esquerdo. Trinta e seis espaços ficam vazios, porque um último frasquinho, de 2,5 ml, tampa vermelha, QR Code e uma sequência numérica, é preenchido para outro fim: a extração do meu RNA. Concordei que meus dados genéticos sejam utilizados no futuro em benefício da ciência. Me comprometo com os pesquisadores do estudo científico a voltar à clínica para novos testes de anticorpos em 42 dias.

14h01: Saio com um sorriso (debaixo da máscara) no rosto e volto ao aeroporto. A empresa aérea promete me dar uma resposta sobre minha reclamação em cinco dias úteis. Imagino o que o novo coronavírus não pode fazer neste espaço de tempo.

20h15: Embarco no voo de volta a Brasília. Até chegar ao meu assento, observo um a um se os passageiros estão usando máscaras apropriadamente. Ao contrário do que ocorreu na manhã, estão cumprindo as regras.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)