Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Diário da Vacina Por Laryssa Borges A repórter Laryssa Borges, de VEJA, relata sua participação em uma das mais importantes experiências científicas da atualidade: a busca da vacina contra o coronavírus. Laryssa é voluntária inscrita no programa de testagem do imunizante produzido pelo laboratório Janssen-Cilag, braço farmacêutico da Johnson & Johnson.

Bebidas alcoólicas podem afetar a eficácia das vacinas?

Pesquisas científicas mostram que o consumo excessivo de álcool afeta o sistema imunológico

Por Laryssa Borges 24 dez 2020, 08h22

23 de dezembro, 13h58: Autoridades russas alarmaram o mundo ao anunciar, no início de dezembro, que a ingestão de bebidas alcoólicas pode afetar significativamente a eficácia das vacinas contra a Covid-19. A celeuma começou depois que a chefe do órgão de segurança do consumidor da Rússia, Anna Popova, afirmou que as pessoas que tiverem sido vacinadas com a Sputnik V deveriam se abster de álcool por quase dois meses. O diretor do Instituto Gamaleya, centro que fabrica os imunizantes em Moscou, disse que não era para tanto. Um gancho de três, talvez seis dias, era o suficiente, afirmou Alexander Gintsburg. Três dias, seis ou dois meses? O estrago já estava feito.

Estudos científicos detalham há anos que o excesso de álcool é um imunodepressor, o que significa que pessoas que bebem muito são mais suscetíveis a infecções. Pesquisadores da Universidade da Califórnia, por exemplo, afirmaram que o consumo crônico de bebidas alcoólicas reduz o número de determinadas células T, desequilibra os diferentes tipos desses organismos e ainda prejudica o funcionamento deles. Os linfócitos T são aqueles com funções imunológicas de resposta contra vírus. Em 2012, outros cientistas, desta vez suecos, concluíram que o consumo de bebidas alcoólicas em níveis de baixo a moderado afetava discretamente como o corpo reagia à vacina contra pneumonia bacteriana, ainda que não tenha interferido na resposta imunológica em si.

Como voluntária do estudo desenvolvido pelo laboratório Janssen-Cilag, não fui orientada a moderar no consumo de bebidas alcoólicas nem antes nem depois de ter recebido a minha dose, em 17 de novembro. No Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, documento que reúne todas as instruções para aqueles que, como eu, se submetem a testes com o imunizante experimental, houve pequenas alterações na orientação geral aos pacientes, como a obrigatoriedade de utilizar pílulas anticoncepcionais pelo menos 28 dias antes de receber o antígeno, mas nenhuma ressalva em relação a bebidas. Voluntários dos estudos clínicos da Oxford/AstraZeneca e da Pfizer também não foram instruídos a se abster de álcool durante a pesquisa.

Depois das informações desencontradas das autoridades russas, cientistas enfim vieram a público para deixar claro que não é necessário haver um banimento de bebidas alcoólicas durante a futura vacinação. Trata-se mais de limitar o consumo a níveis razoáveis para permitir que o corpo, após receber as doses de vacina, encontre um ambiente favorável para produzir os anticorpos. Tim-tim!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês