Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Claudio Lottenberg Mestre e doutor em Oftalmologia pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp), é presidente do Instituto Coalizão Saúde e do conselho do Hospital Albert Einstein

Seu cérebro avisa quando você cometeu um erro

Pesquisa nos EUA decifra mecanismo central para se aprender com a experiência – e que pode ser a causa do TOC

Por Claudio L. Lottenberg 22 jun 2022, 09h26

A OMS (Organização Mundial de Saúde) classifica o TOC (Transtorno Obsessivo-Compulsivo) como um transtorno de ansiedade, e diz que transtornos desse tipo são o sexto maior fator contribuinte para comprometimento não-fatal de saúde, e estão entre as dez principais causas de YLD (anos vividos com incapacidade, na sigla em inglês). Um estudo realizado nos EUA revelou um mecanismo cerebral que pode estar na raiz desse tipo de doença.

O trabalho – realizado por cientistas do Centro de Ciência e Medicina Neural do Hospital Cedars-Sinai, em Los Angeles (EUA) –, publicado em maio na revista especializada Science, buscou decifrar como o cérebro consegue generalizar e se especializar ao mesmo tempo, usando um mesmo grupo de neurônios. Essa capacidade é essencial para nosso monitoramento de desempenho – que, explicam os autores, é uma espécie de alerta, um sinal interno que permite à pessoa saber que cometeu um erro. Por exemplo: quem trafega por vias expressas já passou pela experiência (não exatamente agradável) de ver que acabou de passar direto e perder o acesso a uma ponte. O monitoramento de desempenho entra então em ação: as informações são levadas a áreas que regulam emoções, memória, planejamento e resolução de problemas. O incidente se torna experiência e vai ajudar a não cometer erros desse tipo no futuro.

Para realizar a pesquisa, os cientistas acompanharam 34 pacientes com epilepsia, registrando a atividade de um grupo de neurônios (células cerebrais) no córtex pré-frontal medial. O que se registrou foi que, ao realizar os testes cognitivos a que foram submetidos os pacientes, a atividade dos neurônios observados aumentou depois que as decisões erradas foram tomadas.

A hiperatividade nessa região cerebral se manifestaria como TOC, destaca o estudo. A descoberta pode ter aberto uma via importante para aprimorar os tratamentos para quem sofre da doença–  no Brasil, cerca de 3 milhões de pessoas teriam TOC e, segundo a OMS, em cerca de 2% da população mundial. Trata-se de uma larga população que tem de conviver com sintomas que, se não são eminentemente fatais, causam grandes transtornos, prejudicando relacionamentos, vida profissional e escolar. Na ponta oposta, a baixa atividade estaria relacionada à esquizofrenia – em que o paciente não teria percepção dos erros que comete. Com o mecanismo decifrado, abre-se o caminho para que se desenvolva medicamentos e tratamentos para aliviar quem sofre dessas duas condições.

A pesquisa ainda destaca que a compreensão desse mecanismo ajuda a entender como o cérebro consegue superar o aparente conflito entre especialização e generalização – e isso tem um papel fundamental para se entender a chamada flexibilidade cognitiva. Nem é preciso lembrar que os tempos em que vivemos, de avanços tecnológicos e das transformações que eles acarretam para basicamente cada aspecto da vida, são repletos de desafios inéditos, em cenários de permanente mudança.

A conectividade do mundo de hoje exige que se encontre respostas para uma ampla variedade de questões e situações em períodos cada vez mais curtos. Aprender uma nova tarefa ou aperfeiçoar-se em alguma outra podem ser determinantes para se alcançar algum objetivo. O conhecimento gerado por esse estudo é mais um passo para se entender como opera o cérebro – que é simplesmente um dos sistemas mais complexos que existem. Talvez a compreensão definitiva do cérebro esteja em algum futuro muito distante ainda. Mas o caminho até lá será repleto de coisas fascinantes.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)