Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Claudio Lottenberg

Mestre e doutor em Oftalmologia pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp), é presidente institucional do Instituto Coalizão Saúde e do conselho do Hospital Albert Einstein
Continua após publicidade

Novos medicamentos contra Covid-19

País perdeu muito tempo na discussão de “tratamentos precoces” milagrosos que, sabidamente, nunca foram eficazes

Por Claudio Lottenberg
1 mar 2022, 12h32

O Brasil acaba de dar mais um passo importante no combate à pandemia. Na semana passada, a Anvisa aprovou o primeiro medicamento com indicação profilática (ou seja, de uso preventivo) para o tratamento da Covid-19. Com isso, o país já conta com sete fármacos liberados pela autoridade sanitária que se mostraram de fato eficazes contra o coronavírus.

A droga recém-aprovada se chama Evusheld e combina dois compostos (cilgavimabe + tixagevimabe) derivados de células doadas por pacientes que contraíram a Covid-19. A nova medicação utiliza anticorpos monoclonais, aqueles que se ligam a diferentes pontos da proteína Spike do SARS-CoV-2, prevenindo a infecção. A notícia é particularmente boa para as pessoas imunocomprometidas, uma vez que esses indivíduos tendem a desenvolver uma resposta imunológica menor à vacinação.

A maioria dos medicamentos usados no tratamento da Covid-19 aprovados pela Anvisa são indicados para pacientes hospitalizados, em situações específicas. É o caso do Rendesivir, um antiviral usado em pessoas internadas com pneumonia, e do Baricitinibe, para pacientes internados que necessitam de oxigênio de maneira não invasiva. A agência reguladora também já deu o aval para o uso de medicações indicadas para casos leves e/ou moderados, porém com alto risco de progressão para formas grave da doença, como o Regkirona, o Sotrovimabe, a associação Banlanivimabe e Estesevimab e o Regen-Covi.

Existem também outros fármacos, já adotados em outros países, que ainda aguardam a análise da Anvisa – como os antivirais Paxlovid e Molnupiravir. Até o momento, infelizmente, nenhum deles foi incorporado ao Sistema Único de Saúde.

Continua após a publicidade

A entrada de novos medicamentos contra o coronavírus, entretanto, não anula a importância das vacinas. As drogas funcionam como complemento, e não substitutos da imunização tradicional. Além disso, é impossível saber quando entraremos em contato com alguém infectado em nossas interações sociais corriqueiras. Daí a necessidade da proteção permanente, constante, que só a vacinação completa pode fornecer.

Mais importante, porém, é o fato de que estamos enfim amadurecendo o debate sobre o uso de medicações contra a Covid-19. O Brasil perdeu muito tempo – e muitas vidas – discutido “tratamentos precoces” milagrosos que, sabidamente, nunca foram eficazes. Com o avanço da ciência, podemos finalmente comemorar a chegada de drogas que irão auxiliar de verdade o enfrentamento da maior crise sanitária do século.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.