Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Claudio Lottenberg Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Mestre e doutor em Oftalmologia pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp), é presidente institucional do Instituto Coalizão Saúde e do conselho do Hospital Albert Einstein
Continua após publicidade

Avanço dos casos de gripe é alerta para festas de fim de ano

A boa notícia é que os cuidados contra a Covid-19, como o uso de máscara, também ajudam no combate ao vírus influenza

Por Claudio Lottenberg
Atualizado em 21 dez 2021, 11h29 - Publicado em 21 dez 2021, 08h50

Em meio à pandemia de Covid-19, temos agora mais uma doença em risco de ganhar proporções importantes: a gripe. O país registra surtos da doença, causada pelo vírus influenza, em diversos estados, e especialistas já classificam o atual cenário como epidemia. A semelhança entre os sintomas da gripe e os da Covid-19, como dificuldades respiratórias e dores pelo corpo, complica ainda mais o quadro na hora de diagnosticar. E apesar de as festas públicas, em boa parte do país, terem sido (acertadamente) canceladas, estamos às vésperas das festas de fim de ano, com as prováveis aglomerações – seja em reuniões de família ou em comemorações privadas que reúnam números expressivos de pessoas.

Em São Paulo, o governo municipal já começou a fazer testes rápidos nos pacientes que procurarem a rede de saúde com sintomas de gripe. A pasta da Saúde registrou, na primeira quinzena do mês, quase 92 mil atendimentos de pacientes com sintomas gripais – e destes, pouco mais de 45 mil foram casos de suspeita de Covid-19. O mês de novembro, para que se possa ter uma base de comparação, teve pouco menos de 112 mil pacientes de gripe, com cerca de 56 mil casos suspeitos de Covid-19.

Mas a situação mais crítica mesmo é a do Rio de Janeiro. Na capital fluminense predomina a nova variante do vírus – a influenza Darwin/H3N2. Descoberta em abril deste ano, na Austrália, a cepa não está contida na vacina hoje disponível contra influenza, uma vez que a campanha de vacinação no Hemisfério Sul geralmente começa em março. A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai incluí-la na vacina a ser utilizada em 2022, para aumentar a eficiência do imunizante. Até o último sábado (18), havia cinco mortes relacionadas à gripe e os casos confirmados passavam de 20 mil. Alagoas e Bahia também registraram óbitos.

Pesquisadores do grupo que publica o Boletim InfoGripe, da Fiocruz, explicam que essa epidemia tem uma relação próxima à pandemia da Covid-19. Por exemplo, os esforços (especialmente o uso de máscaras e o distanciamento social) para conter a disseminação do novo coronavírus impediram que os surtos sazonais de gripe ocorressem, tanto no ano passado como neste. Sem a exposição natural ao vírus da gripe, a população não desenvolveu defesa imunológica e a suscetibilidade para contrair a doença aumentou.

Também contribuiu, de maneira um tanto contraditória, o avançar da vacinação contra a Covid-19. Como os números de casos novos, internações e óbitos têm caído, a circulação de pessoas aumentou e, infelizmente, a adesão às medidas de proteção diminuiu. Mas vale lembrar que a pandemia ainda não chegou ao fim – mesmo alguns locais do país que planejavam relaxar a obrigatoriedade do uso de máscara recuaram devido à ascensão da ômicron.

Continua após a publicidade

Como gripe e Covid-19 têm formas semelhantes de transmissibilidade – pelo ar e por contato com secreções –, os cuidados são semelhantes para ambas: uso de máscaras, distanciamento social, higienização constante das mãos. Com o aumento dos casos de gripe, essas medidas ganham mais relevância – ainda mais considerando que até o início deste mês, em São Paulo, somente 55,5% do público alvo da campanha de vacinação contra a gripe havia procurado postos de vacinação (a expectativa era de 90%).

O que podemos dizer é que, no ponto em que estamos, baixar a guarda é a última coisa que deveria acontecer. A gripe, ao contrário do que muitos acreditam, não é uma doença leve. Como vimos ao longo da história, formas variadas de gripe afligiram a humanidade em pandemias anteriores.

A pandemia vai passar, é claro, ainda que não se saiba exatamente quando. Ainda que tenhamos mais um fim de ano contido, é fundamental que nos mantenhamos protegidos, para que, num futuro, que esperamos esteja próximo, possamos festejar sem receios.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.