Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

Últimas pesquisas aceleram plano de Bolsonaro para não estacionar

Levantamento Genial/Quaest reforça tese de que presidente estacionou, mas governo já tem plano para segurar desempenho

Por Clarissa Oliveira Atualizado em 11 Maio 2022, 23h00 - Publicado em 11 Maio 2022, 17h48

Seguindo uma tendência semelhante à de outros levantamentos recentes, a nova pesquisa Genial/Quaest, divulgada nesta quarta-feira, mostrou exatamente o que a campanha do presidente Jair Bolsonaro quer evitar: que a alta consistente registrada nos últimos meses pare por aí e leve o presidente a estacionar na preferência do eleitor. Seria uma das piores notícias possíveis para um presidente que larga atrás do seu maior adversário e ainda amarga uma rejeição nas alturas.

Na pesquisa divulgada hoje, Bolsonaro parou de crescer. Ficou com os mesmos 31% que tinha em abril. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem 46%, tendo oscilado um ponto para cima. Até aí, o jogo segue mais ou menos na mesma. Mas a questão é que Bolsonaro vinha crescendo sem parar desde fevereiro, quando teve 23%. Chegou a 26% em março, antes de saltar novamente no mês seguinte.

O novo cenário ainda não é suficiente para derrubar o time bolsonarista do salto alto. Aliados do presidente dizem esperar uma disparada mais adiante na campanha. Mas reconhecem que pode valer a pena acelerar um plano que já vem sendo gestado há algum tempo: trazer de volta para o holofote o Auxílio Brasil, programa social que substituiu o Bolsa Família petista e nasceu como a maior aposta de Bolsonaro para a campanha presidencial.

A concessão do Auxílio Brasil de R$ 400, segundo aliados do presidente, foi um dos fatores preponderantes para a recuperação da imagem do presidente nos últimos meses. Só que o time bolsonarista sabe que, agora, terá que brigar com Lula e com o PT pelo crédito do programa.

Uma medida, noticiada pelo jornal Folha de S. Paulo, é separar dinheiro em caixa para trocar os cartões usados pelos beneficiários, que ainda levam a marca do Bolsa Família petista. A um custo de nada menos que R$ 130 milhões, embora os cartões estejam funcionando perfeitamente. Mas pode-se esperar também o retorno desse assunto aos discursos do presidente e às lives nas redes sociais.

+Leia também: Nova pesquisa alimenta o sonho bolsonarista da virada sobre Lula

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês