Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Clarissa Oliveira Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores
Continua após publicidade

Pesquisa Ipec valida o grande plano de Lula para a reta final da campanha

Levantamento intensifica estratégia petista em direção ao centro e mostra que nem mesmo 7 de setembro trouxe o que o presidente queria

Por Clarissa Oliveira Atualizado em 13 set 2022, 14h13 - Publicado em 13 set 2022, 10h28

Ao mostrar mais uma vez a estabilidade da corrida presidencial, a nova pesquisa Ipec, divulgada na noite de ontem, validou a estratégia desenhada pelo time do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O levantamento veio a público com margem suficiente para de fato medir os efeitos do 7 de setembro. E mostrou aquilo pelo que a equipe de campanha petista vinha torcendo: nem os atos da Independência, bancados em grande parte com dinheiro público, bastaram para inaugurar uma tendência de alta do presidente Jair Bolsonaro.

Até o fim da semana passada, a campanha petista não escondia a preocupação com o tamanho da mobilização alcançada nas manifestações. Aliados de primeira hora do ex-presidente diziam em reservado que era preciso aguardar um pouco mais para ver o impacto no voto dos indecisos. Mesmo que a pesquisa Datafolha divulgada no fim da semana já apontasse para essa estabilidade.

Bolsonaro errou, na visão de petistas, ao falar mais uma vez para sua bolha. Ele até tentou amenizar o discurso, evitou ataques tão ferrenhos ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao sistema eleitoral. Mas no fim do dia Bolsonaro foi Bolsonaro. Puxou o coro de imbrochável, fez piadas misóginas propondo uma comparação de primeiras-damas. Talvez tivesse tido mais resultado se tivesse se limitado a chamar Lula de quadrilheiro e falar sobre corrupção, na avaliação de líderes petistas.

Mais do que mostrar uma oscilação positiva de Lula de 2 pontos para cima – atingindo 46% das intenções de voto contra 31% das intenções de voto para Bolsonaro –, a pesquisa ainda põe o petista no limite necessário para ganhar no primeiro turno. Ele tem 51% dos votos válidos, segundo o levantamento.

O tempo agora é curto para Bolsonaro e há pouca clareza sobre quais cartadas ainda restam ao presidente. Já se foram o aumento do Auxílio Brasil para R$ 600, a queda forçada do preço dos combustíveis e o 7 de setembro. Agora, a estratégia petista é reforçar o plano desenhado lá atrás. Apostar alto no voto útil contra o presidente.

Continua após a publicidade

Lula conseguiu mais um trunfo ontem nessa direção, ao selar o apoio da ex-senadora Marina Silva. A entrada de Marina na campanha de Lula não é em nada desprezível quando se trata de buscar o eleitor de centro. Mesmo tendo saído pequena da última eleição presidencial, Marina é grande em simbologia. É uma figura muito conhecida do eleitorado brasileiro, tanto quanto o vice Geraldo Alckmin, por exemplo.

Marina tem prestígio nacional e internacional. E ainda por cima é alguém que rompeu com Lula por discordar dos métodos do PT. E que agora retorna para a base do ex-presidente. Tudo em nome do que ela própria descreve como uma missão: derrotar o bolsonarismo.

+Leia também: Nova pesquisa Ipec é a melhor notícia para Lula em duas semanas

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.