Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

Pesquisa traz um dado que faz Bolsonaro rir e outro que lhe tira o sono

Levantamento Genial/Quaest traz dois dados essenciais para a campanha do presidente sobre quem recebe o Auxílio Brasil

Por Clarissa Oliveira 3 ago 2022, 12h45

O presidente Jair Bolsonaro segue em segundo lugar na corrida presidencial. Ainda assim, ele tem seus motivos para comemorar. O levantamento Genial/Quaest divulgado nesta quarta-feira, o presidente apresentou a menor distância em relação ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de toda a série histórica. Lula tem 44%, Bolsonaro tem 32%. É uma boa notícia. Mas não melhor que outro dado da pesquisa: a receptividade ao seu governo entre os beneficiários do Auxílio Brasil.

De acordo com a pesquisa, a avaliação negativa do governo Bolsonaro caiu 9 pontos entre julho e agosto, indo a 39%, quando analisados especificamente os eleitores que recebem a versão turbinada do Bolsa Família. É um sinal que o governo buscava ansiosamente. Até porque os pagamentos ainda nem começaram. Só terão início no próximo dia 9. Ou seja, há terreno para melhorar esse desempenho.

Mas nem tudo é uma maravilha. A pesquisa ainda expõe um desafio enorme imposto ao presidente: converter essa percepção do eleitor em intenção de voto. Isso ainda não aconteceu, de acordo com a Genial/Quaest. O número de eleitores que recebem o Auxílio Brasil e prometem votar em Bolsonaro até caiu. E não foi pouco: passou de 62% para 52%.

Interlocutores de Bolsonaro dizem que não há sombra de dúvida de que o mega pacote de bondades aprovado na PEC Kamikaze vai se traduzir nas intenções de voto do presidente. Dizem que é preciso dar tempo ao tempo. E que o governo precisa de fato investir em comunicação. Mas a ideia é que não só o Auxílio Brasil com valor de R$ 600 vai garantir o sucesso na empreitada. Há também o auxílio que será liberado a caminhoneiros e a ajuda que irá para taxistas. A tese é que, combinados a um cenário de deflação esperado para a economia, esses benefícios vão ajudar a virar o jogo em relação a Lula.

Os aliados do presidente reconhecem que a rejeição alta ainda é um problema. Mas mantêm o otimismo.  “Tá todo mundo insistindo que o problema vai ser a rejeição dele, mas pode valer que o que vai contar na hora do voto é se as coisas melhoraram para o eleitor”, disse um bolsonarista à coluna.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)