Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Clarissa Oliveira

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores
Continua após publicidade

Haddad aprende com erros do passado e imprime novo estilo na Fazenda

Provável herdeiro do capital eleitoral de Lula, ministro aposta no diálogo e age para se firmar como grande articulador do governo

Por Clarissa Oliveira 8 fev 2023, 07h56

Da crise com o Banco Central à peregrinação que tem feito com parlamentares e governadores, Fernando Haddad vem agindo para imprimir um perfil conciliador no Ministério da Fazenda. É uma espécie de validação da premissa que guiou sua própria indicação. Afinal, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sempre defendeu que o cargo deveria ser ocupado por um político. Mesmo com toda a resistência imposta originalmente ao nome do hoje ministro.

+Saiba mais: O recado velado de Lula a dois de seus principais conselheiros

Tida como maior teste de fogo na largada do governo, a reforma tributária tende a ser o grande palco para testar o novo estilo de Haddad. Pessoas próximas lembram que, como prefeito de São Paulo, ele comprou brigas e rompeu pontes. Também avaliam que ele menosprezou a importância de se comunicar bem e dialogar com todos os públicos. E apontam que, embora seja uma pessoa fácil no trato pessoal, costuma ficar na defensiva sempre sua gestão é alvo de críticas. “Ele sempre escorrega quando alguém fala mal dele”, conta um amigo de longa data do ministro.

A ideia é reverter definitivamente essa imagem e dar ao ministro status de grande articulador do novo governo Lula. Tirar uma reforma tributária do papel seria uma conquista e tanto nessa missão. Só nesta semana, foram vários os sinais nessa direção. O esforço para conversar pessoalmente com parlamentares e a negociação de compensações para perdas tributárias com a qual acenou a governadores, por exemplo.

Continua após a publicidade

Não é só da porta para fora que Haddad tem buscado o diálogo. O ex-ministro tem se mostrado mais aberto a conversar também com as diferentes correntes internas do PT, muitas das quais torciam o nariz para o ex-prefeito de São Paulo mesmo depois da candidatura presidencial de 2018.

A escalação do ministério de Lula não deixa dúvidas sobre os planos do presidente para Haddad. Embora existam outros presidenciáveis cuidadosamente alocados na Esplanada, é claramente no ministro da Fazenda que Lula aposta suas fichas. Outros petistas que no passado disputaram com ele essa vitrine tiveram outro destino. Jaques Wagner, por exemplo.

Há outras opções frequentemente citadas nos bastidores como potenciais sucessores de Lula, como Rui Costa (Casa Civil), Flávio Dino (Justiça) e o vice Geraldo Alckmin. Mas a relação do presidente com esses auxiliares não alcança nem de longe o mesmo status que tem Haddad. No caso de Dino e Alckmin, ainda por cima, há outro obstáculo. Ninguém no PT se convence de que Lula aceitaria lançar um nome que não seja do partido.

Continua após a publicidade

Os primeiros dois anos da nova gestão serão decisivos para que o ministro da Fazenda se firme como herdeiro do espólio eleitoral de Lula. Se é que o presidente vai mesmo largar o osso ao fim do mandato e se retirar da disputa presidencial de 2026. Nos bastidores, quem conhece bem Lula não se ilude. Se o cenário político mostrar que a busca da reeleição será determinante para a continuidade do projeto do PT, Lula dificilmente sairá de cena, acreditam seus aliados.

Mas a idade avançada e a vontade de encerrar o ciclo grande estilo certamente vão pesar na decisão. Se o atual mandato de Lula correr como ele espera e as condições para construir sua sucessão estiverem dadas, é bem provável que a porta se abra para Haddad. Mas caberá a ele ter o que colocar na mesa na hora da decisão.

+Leia também: Como as tensões entre Lula e o Banco Central impactam o dólar

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.