Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Clarissa Oliveira

Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores
Continua após publicidade

Como Bolsonaro fabricou um bode expiatório e uma cortina de fumaça

Demissão do presidente da Petrobras mascara a dificuldade do governo de dar sustentação ao seu discurso de campanha

Por Clarissa Oliveira Atualizado em 29 mar 2022, 08h53 - Publicado em 29 mar 2022, 07h25

O presidente Jair Bolsonaro confirmou a decisão de demitir o agora ex-presidente da Petrobras Joaquim Silva e Luna, num gesto que nada tem a ver com esforços para aliviar o rombo no bolso dos brasileiros. Numa tacada só, criou-se um bode expiatório para a ineficiência em conter a alta dos preços e uma cortina de fumaça para acusações de corrupção no centro de um dos ministérios mais importantes para o País.

+Leia também: Bolsonaro decide tirar Joaquim Luna da Petrobras

A demissão de Luna já era esperada desde o mega aumento dos preços anunciado pela Petrobras. Mas, não à toa, veio praticamente no momento em que o ministro da Educação, Milton Ribeiro, entregou sua carta de exoneração, detonado pela denúncia sobre um esquema de favorecimento de pastores evangélicos com a liberação de dinheiro público.

Assim, as notícias sobre a farra do MEC perderam espaço. E a troca de comando da estatal ganhou as manchetes. De quebra, ainda deu para esfriar a repercussão da trapalhada jurídica protagonizada pelo partido do presidente, o PL, que acionou o Tribunal Superior Eleitoral para evitar críticas ao presidente no Lollapalooza.

Continua após a publicidade

As demissões de Ribeiro e Luna apenas evidenciam um presidente decidido a jogar para a torcida e varrer para de baixo do tapete os problemas capazes de interferir em seus planos de renovar o mandato. Até porque o nome escolhido por Bolsonaro para comandar a Petrobras tem restrições quanto à forma como o governo poderia mexer na política de preços da estatal. Adriano Pires deixou isso claro em entrevista recente a VEJA, na qual declarou que torce para que Bolsonaro resista à tentação de uma intervenção na empresa e de um congelamento dos preços dos combustíveis.

Em geral, o mercado espera a continuidade da mesma política que custou o cargo a Luna, embora haja um temor de ingerência na Petrobras. A diferença é que, agora, Bolsonaro tem uma narrativa (para usar um termo tão caro ao bolsonarismo)  para lançar aos seus seguidores nas lives em redes sociais: se a gasolina está nas alturas, ele não tem nada com isso.

Não é mistério para ninguém que Bolsonaro vinha apostando todas as fichas da sua reeleição numa recuperação da Economia. Vendeu o Auxílio Brasil como um remédio milagroso para reverter os efeitos da pandemia, investiu em obras em estados estratégicos e fez inúmeras promessas de retomada do crescimento.

Continua após a publicidade

Mais recentemente, o governo preparou um novo pacote de bondades para injetar dinheiro na economia e tentar compensar o cenário de estagnação. Mas, se não é possível encontrar uma solução imediata para o problema, ao menos encontra-se alguém em quem jogar a culpa.

+Saiba mais: Envolvido em escândalo de corrupção, Milton Ribeiro pede para sair do MEC

O problema é que, sem o discurso eleitoral da retomada, resta a Bolsonaro se apresentar como o anti-Lula, seu maior adversário até agora. É com esse objetivo que o presidente repete à exaustão que seu governo é livre de corrupção. Mas os pastores do MEC estão aí para contar história.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.