Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Cidades sem Fronteiras Por Mariana Barros A cada mês, cinco milhões de pessoas trocam o campo pelo asfalto. Ao final do século seremos a única espécie totalmente urbana do planeta. Conheça aqui os desafios dessa histórica transformação.

Projeto quer obrigar a prefeitura de SP a custear a manutenção das calçadas

Iniciativa do vereador Andrea Matarazzo prevê que a despesa seja incluínda na verba destinada ao recapeamento de vias

Por Mariana Barros Atualizado em 31 jul 2020, 00h14 - Publicado em 26 out 2015, 12h46

calçadasp

Um projeto de lei já aprovado em primeira votação pretende transferir para a prefeitura de São Paulo a responsabilidade pela manutenção dos 35.000 quilômetros de calçadas paulistanas. Além de pagar as contas, o poder público ficaria responsável por definir critérios técnicos, fiscalizar eventuais danos causados por empresas permissionárias e fazer levantamentos estatísticos sobre o uso das calçadas.

O dinheiro para a manutenção seria incluso no montante destinado ao recapeamento das vias. “Via não é só o que está entre um meio-fio e outro, e sim o que vai da porta de um imóvel à porta do imóvel que está do lado oposto”, diz o vereador Andrea Matarazzo (PSDB), autor do projeto. Matarazzo, que foi secretário de subprefeituras (2006-2009) e é pré-candidato à prefeitura nas eleições do ano que vem, explica que, ao recapear as pistas para os carros, a administração recapearia também as calçadas. Para isso, seria possível tanto usar asfalto quanto modelos permeáveis que melhorem o escoamento de água. O projeto ainda precisa ser submetido à segunda votação no plenário da Câmara Municipal para seguir para apreciação do prefeito.


LEIA TAMBÉM:

Calçada Viva: uma campanha para melhorar as cidades

Corredores de rua aproveitam trajetos diários para praticar esporte

“Cidades ‘caminháveis’ são mais prósperas e agradáveis”

Continua após a publicidade

 

Por ano, são destinados cerca de 2,5 milhões de reais para as obras de recapemaneto da cidade. Estudos usados pelo vereador para embasar o projeto apontam que a a conservação de 10% do total de calçadas da cidade (ou seja, 3.500 quilômetros),  já resolveria a mobilidade de 80% dos deslocamentos.

De acordo com o Instituto de Ortopedia e Traumatologia (IOT) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, uma a cada cinco vítimas de queda atendidas no pronto-socorro do Hospital das Clínicas caiu em uma calçada, sendo que os buracos provocam 40% das quedas.  Cada paciente que precisa ser internado devido às lesões custa 40.000 reais ao sistema de saúde público.

Por Mariana Barros
calçadaviva_share 

A CAMPANHA #CALÇADA VIVA CONTINUA: Se você encontrou problemas nas calçada da sua cidade, denuncie publicando fotos com a marcação #calçadaviva‬ ou usando o aplicativo precisamelhorar.com. Prefeituras das cidades participantes serão notificadas e cobradas por resultados.

 

>> Acompanhe o Cidades sem Fronteiras no Facebook // Siga no Twitter// E no Instagram

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)