Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
CannabiZ Por André Sollitto e Ricardo Amorim Novidades e reflexões sobre o mercado da cannabis legal, no Brasil e no mundo

Por que tantos atletas se interessam por investir em cannabis

Oportunidades de negócios e benefícios para alívio de dores e recuperação de lesões fomentam aportes milionários em empresas do setor

Por André Sollitto 29 jun 2022, 18h13

No início de junho, o fundo MadFish, do tenista Bruno Soares, atleta com três títulos Grand Slam no currículo, liderou um aporte de R$ 12 milhões na empresa Ease Labs, farmacêutica que produz medicamentos à base de cannabis. Soares afirmou na ocasião que produtos ricos em CDB foram fundamentais em sua carreira.

Por aqui, Soares é um dos esportistas pioneiros a investir no setor. Bob Burnquist, por exemplo, é outro que investiu na Farmaleaf, que oferece produtos à base de cannabis, em parceria com o chef Alex Atala. Mas lá fora a lista é grande. Mike Tyson tem uma fazenda de 170 hectares (ou 420 acres), a Tyson Ranch, misto de resort e plantação de cannabis. Os astros da NBA John Wall e Carmelo Anthony participaram em 2021 de uma rodada de US$ 5 milhões na californiana LEUNE, que oferece uma variedade de produtos. David Beckman tem uma participação na Cellular Goods, fabricante de cosméticos, Mario Götze e Andre Schürle investiram na startup alemã Sanity, que produz produtos farmacêuticos. E estes são apenas alguns exemplos.

Mas o que faz com que tantos atletas queiram investir em cannabis?

De um lado, há os benefícios medicinais associados a medicamentos produzidos com a erva. Existem relatos de esportistas que usam para tratar a depressão, dores após anos de abuso do corpo ou durante a recuperação de lesões. Aos poucos, a maconha vem deixando a lista de substâncias proibidas em competições. Em 2018, a Agência Mundial Antidoping (Wada) tirou o CDB da lista, e produtos com o ativo foram usados por participantes dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Outros compostos, no entanto, continuam banidos. Pesquisas já mostraram que o THC não afeta o rendimento, então especialistas acreditam que na próxima Olimpíada, em 2024, a Wada deve permitir seu uos pelos atletas.

Mas há ainda uma oportunidade importante de negócios. Mais estados norte-americanos estão legalizando o consumo, tanto medicinal quanto recreativo. A Europa, embora tenha uma legislação mais conservadora sobre o tema, também aponta para avanços inegáveis. Um exemplo é a Suíça, abordado aqui no blog. E até o Brasil caminha para uma regulamentação mais ampla. Um levantamento da consultoria Kaya Mind divulgado em dezembro do ano passado apontou que o segmento esportivo pode gerar negócios de mais de R$ 900 milhões de reais por ano para os medicamentos e derivados da cannabis.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)