Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

CannabiZ

Por André Sollitto e Ricardo Amorim
Novidades e reflexões sobre o mercado da cannabis legal, no Brasil e no mundo
Continua após publicidade

O retrocesso da nova norma do Conselho Federal de Medicina sobre cannabis

Mais restritiva, orientação permite que médicos prescrevam canabidiol apenas para epilepsia e veta divulgação de informações fora do ambiente científico

Por André Sollitto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 14 out 2022, 18h33

O Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou nesta sexta-feira (14) uma nova norma sobre a prescrição de medicamentos com canabidiol. A partir de hoje, a cannabis medicinal pode ser usada apenas no tratamento de epilepsia refratária em crianças e adolescentes com Síndrome de Dravet e Lennox-Gastaut ou Complexo de Esclerose Tuberosa, de acordo com a resolução CFM nº 2.324.

A norma também diz que fica “vedada ao médico a prescrição de canabidiol para indicação terapêutica diversa da prevista nesta Resolução, salvo em estudos clínicos autorizados”. Os profissionais também não podem “ministrar palestras e cursos sobre o uso do canabidiol e/ou produtos derivados de Cannabis foram do ambiente científico, bem como fazer divulgação publicitária”. O documento pode ser lido na íntegra neste link.

A medida tem validade de três anos e é a primeira orientação do órgão sobre o tema em oito anos. Segundo a relatora da norma, Rosylane Rocha, a norma 327 da Anvisa, de 2019, que dispõe sobre a fabricação e a importação de produtos com cannabis para fins medicinais, “houve inúmeras atividades de fomento ao uso de produtos de cannabis e um aumento significativo de prescrição de canabidiol para doenças em substituição a tratamentos convencionais e cientificamente comprovados”, escreve ela, em nota.

Trata-se de um enorme retrocesso para o setor.

Continua após a publicidade

Já existem diversos estudos que apontam os benefícios da cannabis medicinal no tratamento de patologias como o transtorno do espectro autista, Alzheimer e Parkinson. Em outros países, já existem terapias para ansiedade e depressão com base na cannabis. São prescrições baseadas em farta literatura científica.

A orientação também é divulgada apenas dias depois que o presidente americano, Joe Biden, deu um passo importante rumo à descriminalização da maconha ao anunciar o perdão para todos os condenados por pequenos delitos envolvendo a erva.

Enquanto outros países avançam na descriminalização da droga, aqui, no Brasil, seu uso medicinal torna-se ainda mais restritivo, afastando pacientes de tratamentos já comprovados.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.