Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
CannabiZ Por André Sollitto e Ricardo Amorim Novidades e reflexões sobre o mercado da cannabis legal, no Brasil e no mundo

Evento virtual vai debater as oportunidades do cânhamo no Brasil

Espécie de cannabis sem efeitos psicoativos, planta poderia gerar 4,5 bilhões em receitas e 300 mil empregos, segundo organizadores

Por Ricardo Amorim Atualizado em 29 mar 2022, 09h17 - Publicado em 29 mar 2022, 09h09

Quase inexistente no Brasil de alguns anos atrás, o mercado eventos voltados ao universo da cannabis segue aquecido. Na manhã de hoje, 29, e de amanhã, 30 de março, acontece o 1º Seminário Brasileiro de Direito do Cânhamo, promovido pela Associação Nacional do Cânhamo Industrial (ANC). Para ampliar o alcance e a audiência, este evento ainda será virtual e aberto a todos os interessados. Os debates vão reunir juristas e especialistas no tema e contam com o apoio da aceleradora The Green Hub e do movimento mundial Fashion Revolution e serão transmitidos gratuitamente pelo canal da ANC no YouTube.

O cânhamo tem merecido a atenção de agricultores e investidores mundo afora por conta de sua versatilidade. Segundo os organizadores do seminário, essa espécie não-psicoativa da cannabis tem mais de 25 mil aplicações na indústria, que vão desde a produção de plástico biodegradável até a fabricação de papel, cosméticos, produtos alimentícios, tecidos e isolantes térmicos, além, é claro, dos medicamentos com canabidiol (CBD). Seus defensores apostam na liberação do cultivo do cânhamo no Brasil para destravar um segmento com potencial para gerar mais de 300 mil empregos e receitas da ordem de 4,5 bilhões de reais já no primeiro ano de regulamentação, segundo dados da consultoria especializada Kaya Mind. Outro argumento a favor da planta vem dos ambientalistas: além de seu cultivo exigir três vezes menos água que o do algodão, por exemplo, a cannabis é reconhecida por ser uma planta de CO2 negativo, ou seja, absorve mais gás carbônico do que produz.

Assim, o evento trará debates acerca de temas como abertura de mercado, regulação, oportunidade de novos negócios, brechas na legislação e os desafios para a regulamentação do cânhamo no Brasil. “A atual regulação da cannabis medicinal, no Brasil, prejudica a indústria e nos torna dependentes de outros países. No caso do cânhamo, o marco regulatório é inseguro e restritivo, limitando o crescimento da nossa economia. Nosso objetivo é esclarecer os problemas regulatórios e ajudar o país a criar uma legislação, gerando desenvolvimento para todos”, afirmou Rafael Arcuri, Diretor Executivo da ANC.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)