Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Caçador de Mitos Por Leandro Narloch Uma visão politicamente incorreta da história, ciência e economia

O erro de Olavo de Carvalho sobre a imigração

Não é verdade que italianos e japoneses foram chamados ao Brasil para "elevar o nível técnico da população", como diz o filósofo

Por Leandro Narloch Atualizado em 30 jul 2020, 23h54 - Publicado em 9 dez 2015, 13h04

Olavo de Carvalho me chamou de idiota. Olavo de Carvalho me chamou de idiota! Fico feliz porque assim entro na lista de ilustres amigos liberais que já receberam as mesmas palavras de afeto do filósofo.

O motivo de Olavo ter me chamado de idiota é, de novo, o post em que critico o deputado Bolsonaro por chamar haitianos, sírios e bolivianos de escória. Afirmo no artigo que os imigrantes europeus do século 19 eram tão escória quanto haitianos hoje – e, apesar disso, prosperaram.

Olavo afirma que estou raciocinando a partir de similitude de palavras (imigrante = escória). “Acontece”, diz ele, “que os japoneses, italianos e alemães nunca foram chamados como escória; ao contrário, eles foram chamados porque vinham elevar o nível técnico da nossa população.”

Não é verdade. Ou melhor: a afirmação de Olavo vale para os alemães, talvez também para os italianos do norte (e aqui eu admito o descuido ao afirmar que os alemães eram considerados escória).

Mas a afirmação não vale para todos os outros povos que imigraram ao Brasil:  japoneses, italianos do sul, poloneses, ucranianos, quase todos famintos, miseráveis e discriminados quando chegaram aqui.

Os japoneses, que para Olavo de Carvalho também foram chamados ao Brasil “para elevar o nível técnico da população”, são um belo exemplo. Oliveira Vianna dizia que “o japonês é como enxofre: insolúvel”. A revista O Malho publicava charges ridicularizando os imigrantes japoneses. “O governo de São Paulo é teimoso. Após o insucesso da primeira imigração japonesa, contratou 3.000 amarelos”, diz uma charge de 1908. “Teima pois em dotar o Brasil com uma raça diametralmente oposta à nossa”.

Nos debates da Assembleia Constituinte de 1946, a expressão “aborígenes nipões” é frequente. Por muito pouco os deputados não aprovaram a emenda 3.165, que proibia “a entrada no país de imigrantes japoneses de qualquer idade e de qualquer procedência”. A emenda teve apoio de Luís Carlos Prestes e os demais deputados comunistas.

Vejam só que informação deliciosa: quando o assunto é proibir a entrada de povos considerados escória, Olavo de Carvalho e Luís Carlos Prestes se aproximam. Quem diria.

Continua após a publicidade

Os poloneses também eram chamados de escória nas suas primeiras décadas no Brasil. Sei disso por experiência da minha própria família. Cresci entre descendentes de Novacoskis e Bonaroskis, mas não havia na minha casa nada da cultura polonesa. O motivo é a vergonha. Minha mãe e suas primas “polacas” morriam de vergonha de serem polonesas. Para evitar serem confundidas com prostitutas, escondiam a origem a qualquer custo – e fingiam ser alemães. Poloneses, dizia-se na época em Curitiba, num duplo preconceito, eram “pretos do avesso”. Casavam com empregadas domésticas e morriam de cirrose. Hoje esses “pretos do avesso”, esses integrantes da escória estão mais ricos que a média da população.

Entre os italianos, havia preconceito mesmo entre os próprios imigrantes. Gente do norte da Itália não se misturava com os do sul. No interior de São Paulo, chamar alguém de “calabrês” era uma ofensa.

Quem passar os olhos pelo Guia Prático da Cidade de São Paulo, editado entre 1906 e 1934, verá diversos anúncios de italianos padeiros, alfaiates, donos de lojas de sapatos – mas nenhum de engenheiros, advogados ou médicos. Entre os operários italianos do Bom Retiro, em São Paulo, 70% eram analfabetos. Não me parece que a maior parte desses imigrantes tinha um “elevado nível técnico”, como sugere Olavo.

Se brasileiros do século 19 tivessem ouvido discursos contra a imigração como os de Bolsonaro e Olavo de Carvalho, não teríamos no Brasil toda a prosperidade criada por japoneses, poloneses, ucranianos e italianos meridionais.

Olavo de Carvalho toma uma parte do que eu digo (sobre os alemães) para escapar da refutação à minha afirmação central: em muitos países e épocas, imigrantes imundos, famintos e discriminados cresceram pela cultura de trabalho, e décadas depois já eram mais ricos que a média da população.

Há muitos exemplos assim – o livro Race and economics: how much can be blamed on discrimination, do economista Walter Williams, enumera casos em diversos países. Sikhs e judeus eram os dois povos mais pobres de Londres no século 19 (e, acredito que aqui o filósofo concordará comigo, também os mais discriminados). Hoje são as duas etnias mais ricas da cidade.

Em Nova York, empresas incluíam nos anúncios de empregos a sigla N.I.N.A (No Irish Need Apply, “irlandeses não precisam se candidatar”). Na Califórnia, houve leis proibindo o direito de japoneses e chineses possuírem terras. Hoje os americanos descendentes de irlandeses, japoneses ou chineses têm mais dinheiro que o americano comum.

Ao se voltar contra os imigrantes só porque o PT os apoia, Olavo joga fora uma grande bandeira: a cultura de trabalho. É dela que eu saio em defesa. Estou pouco me lixando para a cultura haitiana, boliviana ou síria. Defendo os imigrantes haitianos, bolivianos e sírios por sua cultura de trabalho. É ela que vence o preconceito dos nativos e torna escória elite.

@lnarloch

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês