Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Bahia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por VEJA Correspondentes
Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens baianos.
Continua após publicidade

Posto de Salvador tem carregamento de madrugada e amanhece com fila

Motoristas receberam informação por grupos na internet e correram para abastecer em estabelecimento próximo ao Farol da Barra

Por Dagmar Serpa
28 Maio 2018, 16h18

Não demorou para se espalhar a notícia de um posto de combustível que recebeu um carregamento de gasolina tarde da noite próximo ao Farol da Barra, em Salvador. Com as bombas liberadas para os clientes às 6 horas da manhã, uma fila se formou logo no amanhecer. A correria tinha razão de ser: o posto não garante que o estoque duraria até a noite nem se ele seria renovado em breve.

O administrador Fabiano Prazeres, a dois carros de alcançar seu objetivo, diz que contabilizou uma hora e meia de espera. Conta que soube da notícia por um grupo na internet que troca informações e correu. “Vi notícias de que hoje seria último dia que ainda iriam abastecer os postos e, como não sabemos se vai durar muito a situação, preferi tentar.” 

Morador da Graça, bairro de classes média e alta não muito longe dali, ele trabalha na Liberdade e precisa cumprir um percurso de mais de dez quilômetros. Quis garantir o expediente por mais um tempo. “Transporte público também ficou complicado.”

Com uns 20 carros à sua frente, Jadson Oliveira é auxiliar-administrativo e espera pacientemente saboreando uma quentinha comprada em um restaurante das redondezas. Morador do Cabula, trabalha na Barra mesmo, percorrendo habitualmente cerca de 16 quilômetros. Estava em horário de almoço quando passou e viu a fila.

Continua após a publicidade

“Já fui entrando. Resolvi comer no carro mesmo e aproveitar a pausa para ver se conseguia abastecer”, conta. Afirma que, desde quarta-feira, precisava colocar gasolina. Agora o ponteiro está na reserva. 

Informado que a oferta na bomba poderia não resistir até chegar sua vez, ele responde resignado: “Se não colocar, deixo o carro no trabalho e tento pegar ônibus”.

Garante que apoia o movimento dos caminhoneiros, apesar dos transtornos para todos. “É um absurdo o preço do combustível e toda essa nossa situação. Se não for assim, ninguém consegue nada.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.