Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Augusto Nunes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Reynaldo-BH: Bem-vindo, Francisco. E fique tranquilo. Eles não nos representam

REYNALDO ROCHA Francisco, o Papa, pode ser uma surpresa para muitos. E ─ confesso ─ até para mim. Não pretendo fazer uma análise teológica do Cardeal Bergoglio, nem mesmo histórica (da história desta instituição com mais de 2.000 anos). É possível que Bergoglio seja um novo Angelo Giuseppe Roncalli. Seria uma bênção. Uma nova Igreja, […]

Por Augusto Nunes
Atualizado em 31 jul 2020, 05h45 - Publicado em 23 jul 2013, 19h39

REYNALDO ROCHA

Francisco, o Papa, pode ser uma surpresa para muitos. E ─ confesso ─ até para mim. Não pretendo fazer uma análise teológica do Cardeal Bergoglio, nem mesmo histórica (da história desta instituição com mais de 2.000 anos).

É possível que Bergoglio seja um novo Angelo Giuseppe Roncalli. Seria uma bênção. Uma nova Igreja, que renasceu com João XXIII e agora acorda com Francisco.

São diversas as leituras. Após um teólogo de intensa produção filosófica, como Ratzinger, temos um Papa que prefere os sapatos pretos às sapatilhas vermelhas. Ou carros populares a limusines. Que ri. E é alegre na fé que professa. Que cada um em seu quadrado leia o que Francisco diz (e principalmente, veja como se porta).

Continua após a publicidade

Ontem, vimos um triste espetáculo: a diminuição absurda do momento histórico a alguns minutos de palanque. Enquanto Francisco pedia licença para “tocar suavemente nos corações brasileiros”,  quem nos deveria representar reduziu o Brasil a dez anos!

Misturando conceitos universais (caros aos budistas, umbandistas, evangélico e até aos ateus honestos), parecia ter-se apossado dos mesmos.  Francisco falou de inclusão. Dilma ressaltou a divisão que é a obra maior do lulopetismo.

Senti vergonha. Sempre sinto. Dilma confundiu fé com seita, e recepção a um líder religioso com palanque. Ela continua a ver-nos  como uma imensa massa que deve, antes de qualquer outro valor, venerar os bezerros (e novilhas) de ouro. Fez da doce figura de Francisco uma plataforma de ódio. De pedidos de votos. De vergonha.

Nada menos cristão do que a adoração a ídolos de barro. E ninguém mais preparado que Francisco para reconhecer de longe essa gente. Alguém duvida? Veremos.

Continua após a publicidade

Não há como falar algo aos jovens sem que Dilma seja atingida. E não será por opção política ou posicionamento ideológico do pastor Bergoglio. Somente por causas naturais… Justiça, decência, fé e moral, por exemplo. Dilma nunca saberá o que são tais conceitos. Ela prefere acreditar em Gilbertinho I, papa do mensalão.

Bem-vindo, Francisco. E fique tranquilo!

Eles não nos representam!

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.