Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Porquinhos de estimação

Até agora apenas sussurrado por inimigos íntimos, o apelido coletivo da trinca formada por Antonio Palocci, José Eduardo Dutra e José Eduardo Cardoso foi escrachado por Dilma Rousseff nesta sexta-feira, durante o discurso na reunião do diretório nacional do PT: grata pelos bons serviços prestados por eles ao longo da campanha, elogiou o desempenho dos […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 13h34 - Publicado em 20 nov 2010, 11h39

Até agora apenas sussurrado por inimigos íntimos, o apelido coletivo da trinca formada por Antonio Palocci, José Eduardo Dutra e José Eduardo Cardoso foi escrachado por Dilma Rousseff nesta sexta-feira, durante o discurso na reunião do diretório nacional do PT: grata pelos bons serviços prestados por eles ao longo da campanha, elogiou o desempenho dos Três Porquinhos. A candidata que não dizia coisa com coisa é agora a presidente eleita que não sabe o que diz. Os devotos de Lula atravessaram a temporada eleitoral enxergando um PIG (Partido da Imprensa Golpista) no palanque da oposição. Com meia dúzia de palavras, a oradora apresentou ao país três pigs de estimação.

Dos três porquinhos da velha fábula ─ Prático, Cícero e Heitor ─, só o primeiro é prudente e trabalhador. Os outros são preguiçosos juramentados. “Eu sou o Prático”, antecipou-se José Eduardo Dutra. “Eu sou o Cícero”, emendou José Eduardo Cardozo, talvez sem saber que seu personagem foi o primeiro a ter a casa destruída pelo Lobo Mau. Sobrou para Palocci o papel de Heitor, que também só escapou do vilão por ter-se abrigado no refúgio seguro construído pelo porquinho Prático.

A associação à história infantil deixa dois Altos Companheiros mal no retrato. Pior ainda é a associação à trinca de parlamentares batizada pela imprensa com a mesma alcunha durante a campanha eleitoral de 1989. A serviço do chefe José Sarney, os senadores Edison Lobão, Marcondes Gadelha e Hugo Napoleão planejaram o lançamento da candidatura do apresentador Silvio Santos à Presidência da República. A trama protagonizada pelos Três Porquinhos do século passado tropeçou na Justiça Eleitoral. Mas a confusão que provocaram fez o quadro político ficar parecido, por algum tempo, com um chiqueiro.

Pelo tom de voz, Dilma quis ser gentil com seus porquinhos preferidos. É difícil imaginar que imagens, comparações e alcunhas poderá berrar quando, já instalada na Presidência da República, estiver sob o signo da fúria.

http://storage.mais.uol.com.br/embed.swf?mediaId=8267794

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)