Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O vídeo prova que Lula, Dilma e Jucá continuam juntos no time que arrasou a Petrobras e quer derrotar a Lava Jato

A trinca que conviveu harmoniosamente durante sete anos merece ser instalada no mesmo banco dos réus pelo crime de obstrução da Justiça

Por Augusto Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 22h38 - Publicado em 25 Maio 2016, 16h25

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=KB4m5bLtB3M?feature=oembed&w=500&h=281%5D

Entre março e julho de 2005, período em que chefiou o Ministério da Previdência, Romero Jucá conviveu em perfeita harmonia com o presidente Lula e com Dilma Rousseff, então acampada no Ministério de Minas e Energia. A volta ao Congresso do pajé do PMDB de Roraima, forçado por novas anotações no prontuário a deixar o primeiro escalão, não afetou o exemplar entrosamento com a dupla do PT.

Em 2006, com Lula no segundo mandato e Dilma na chefia da Casa Civil, a promoção de Jucá ao posto de líder do governo recompôs o trio que jogaria no mesmo time até 2012. As mudanças de posição ocorridas não afetaram a notável afinação. Vitoriosa na eleição presidencial de 2010, Dilma manteve Jucá na liderança do governo e Lula continuou mandando nos dois. Oficialmente desfeita em 2012 pela partida do senador, a trinca acaba de ser recomposta.

Eles agora jogam juntos contra a Operação Lava Jato, atesta o áudio que agrupa trechos de conversas telefônicas que escancaram a conspiração forjada para paralisar a devassa do maior esquema corrupto da história. São três falatórios irretocavelmente cafajestes. São três tapas na cara do Brasil decente. São três afrontosos pontapés no artigo do Código Penal que trata do crime de obstrução da Justiça.

O primeiro deles, grampeado pela Polícia Federal em 4 de março e divulgado 12 dias depois, registra o boçal destampatório de Lula durante uma conversa com Dilma:

“Nós temos uma Suprema Corte totalmente acovardada, um Superior Tribunal de Justiça totalmente acovardado, um Parlamento totalmente acovardado, somente nos últimos tempos o PT e o PCdoB começaram a acordar e começaram a brigar, um presidente da Câmara fodido, um presidente do Senado fodido, não sei quantos parlamentar ameaçado, sabe… sabe… e fica todo mundo no compasso achando que vai acontecê um milagre e que vai todo mundo se salvá. Eu estou, sinceramente, estou assustado é com a república de Curitiba”.

Continua após a publicidade

O segundo trecho revela o repulsivo diálogo entre o padrinho e a afilhada interceptado em 16 de março e divulgado no mesmo dia. Para colocar o antecessor sob as asas do foro privilegiado antes que o camburão estacionasse diante do Instituto Lula, a presidente avisa que acabara de enviar o termo de posse do chefão do bando na chefia da Casa Civil. Descontrolado pelo medo de cadeia, o ex-presidente não diz sequer “obrigado” antes ou depois do hoje famoso “Tchau, querida”.

Dilma: Alô.
Lula: Alô.
Dilma: Lula, deixa eu te falar uma coisa.
Lula: Fala, querida. Ahn?
Dilma: Seguinte, eu tô mandando o ‘Bessias’ junto com o papel pra gente ter ele, e só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse, tá?
Lula:  Uhum. Tá bom, tá bom.
Dilma: Só isso, você espera aí que ele tá indo aí.
Lula: Tá bom, eu tô aqui, fico aguardando.
Dilma: Tá?!
Lula: Tá bom.
Dilma: Tchau.
Lula: Tchau, querida.

O terceiro trecho foi pinçado do diálogo bandido com Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, que transformou Jucá em ex-ministro do Planejamento do governo Temer. A certa altura, para tranquilizar o comparsa metido até o pescoço na roubalheira do Petrolão, Jucá mergulha de cabeça no pântano:

“Nós temos que encontrar uma maneira, você tem que ver com seu advogado como é que a gente pode ajudar. Tem que ser política, advogado não encontra [inaudível]. Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra… Tem que mudar o governo pra poder estancar essa sangria”.

A menção à mudança de governo foi imediatamente transformada por Dilma na prova definitiva de que impeachment é um golpe com sotaque inglês. Errado: a troca de ideias imbecis com Sérgio Machado só mostra que medo de cadeia faz mal à cabeça. Por que trocar o governo se o poste e seu fabricante adorariam jogar uma bomba atômica sobre a república de Curitiba?Jucá tampouco entendeu que a ruptura com os antigos cúmplices jamais se consumou.

Eles estiveram juntos no Petrolão: o senador foi um dos atacantes do time que Lula montou e Dilma manteve em campo. Deveriam ser julgados juntos por obstrução da Justiça. E despachados juntos para a mesma gaiola.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)