Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O protagonista do escândalo que abriu o festival de horrores da Era Lula

PUBLICADO EM 30 DE ABRIL DE 2009 No inverno de 2002, a campanha eleitoral estava em seu começo quando o bicheiro Carlinhos Cachoeira foi convidado para uma conversa com Waldomiro Diniz, presidente da Loterj ─ empresa estatal que administra as  loterias do Rio. Por saber com quem lidava, o delinquente carioca tratou de gravar o encontro, ocorrido numa pequena […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 17h43 - Publicado em 30 abr 2009, 01h14

PUBLICADO EM 30 DE ABRIL DE 2009

No inverno de 2002, a campanha eleitoral estava em seu começo quando o bicheiro Carlinhos Cachoeira foi convidado para uma conversa com Waldomiro Diniz, presidente da Loterj ─ empresa estatal que administra as  loterias do Rio. Por saber com quem lidava, o delinquente carioca tratou de gravar o encontro, ocorrido numa pequena sala do aeroporto de Brasília, com uma câmera oculta. Por motivos ainda ignorados, só a liberou o vídeo para exibições na TV em fevereiro de 2004.

Apesar da má qualidade das imagens e do som, o filmete fez muito sucesso. Com a voz e o olhar de pecador no confessionário, o presidente da Loterj tenta obrigar o bicheiro a anabolizar com contribuições de bom tamanho tanto a campanha da governadora Benedita da Silva, candidata à reeleição pelo PT, quanto a de Rosinha Garotinho, a adversária lançada pelo PMDB. A demonstração de generosidade, insinua Waldomiro, seria retribuída na forma de praxe: até o fim do governo, o doador estaria na lista dos amigos autorizados a delinquir em paz.

Cachoeira também poderia contar com a gratidão do caçador de contribuições, que não estava ali por motivos exclusivamente políticos. “Um por cento é pra mim”, confessa Waldomiro na fala mais picante, patética e pilantra do script. Pronunciada pelo corrupto trapalhão em 2002, foi ouvida pelo Brasil inteiro quando o dono do fiapo de voz falava grosso no cargo de subchefe de Assuntos Parlamentares da Casa Civil, comandada pelo superministro José Dirceu. E o que seria mais um caso de ladroagem regional assumiu dimensões suficientemente superlativas para inaugurar o festival de escândalos da Era Lula.

Amigos desde 1991, Dirceu e Waldomiro dividiram um apartamento na planície antes de se instalarem no latifúndio da Casa Civil no Palácio do Planalto. Ao assessor de estimação do ministro cabia atender às demandas da clientela parlamentar. A agenda oficial o remetia diariamente ao Congresso, onde cumpria missões confiadas pelo comandante ─  um afago no senador carente de atenções, a antecipação da audiência com o chefe prometida ao deputado amuado, uma barganha moldada para melhorar o humor do partido arredio.

Continua após a publicidade

Muito mais excitantes eram os compromissos camuflados nos rabiscos só decifráveis por quem os produzira. Aquelas folhas soltas compunham a agenda oficiosa de um estelionatário em ascensão. Com a mudança de emprego, mudaram as cifras, os parceiros e as cenas dos crimes. Só não mudou a porcentagem. A propina seguiu estacionada em 1%, mas o figurão federal passou a negociar procissões de zeros com grandes empresários em gabinetes maiores que o velho apartamento.

Em abril de 2003, por exemplo, descobriu-se que Waldomiro condicionou a renovação do contrato entre a Caixa Econômica Federal e a GTech, empresa que lucrava com as loterias federais, ao pagamento de uma propina de R$ 6,5 milhões. Um por cento dos R$ 650 milhões que a GTech receberia. Dirceu fez de conta que de nada soube. Reeditou a cara de paisagem quando até o gramado da Praça dos Três Poderes compreendeu que Waldomiro estava a serviço dos donos de casas de bingo. Confrontado com o vídeo bandalho, o ministro caprichou na imitação do inocente enganado e disse ao presidente que queria pedir demissão. “Eu disse que aquilo não fazia sentido, ele não tinha culpa de nada”, contou Lula mais tarde. Só o escândalo do mensalão despejaria do Planalto o especialista em recrutamento de assessores malandros.

Graças a Dirceu, Waldomiro não foi demitido a bem do serviço público, mas “exonerado a pedido”. Safou-se das preguiçosas investigações simuladas por uma comissão de sindicância do Planalto. Escapou da CPI dos Bingos. Voltou a contracenar com Cachoeira numa acareação judicial ocorrida no fim de 2005 e sumiu de Brasília. Cinco anos depois do vídeo que lhe garantiu alguns dias de fama, vive no interior de Goiás, longe do coração do poder e da cadeia.

Em outubro de 2007, a repórter Andrea Michaels, da Folha de S. Paulo, informou que o extorsionário impune chefiava a área financeira de uma fábrica de ração e produtos para animais instalada em Goiânia. Para a Receita Federal, apurou a jornalista, continuava um fantasma: a última declaração de renda foi apresentada em 2005 e a CPF tinha sido cancelado. Waldomiro deve ter ressuscitado para o Fisco no ano seguinte, sugeriu em maio de 2008 o blog de Vicente Nunes, do Correio Braziliense.

“Ele se tornou um importante personagem no promissor mercado de carne bovina”, revelou o jornalista. “É agora representante oficial do Frgorífico Bertin, com procuração de plenos poderes reconhecida em cartório, para a venda de uma unidade do grupo no interior de Goiás”. Um negócio de R$ 10 milhões. Ainda de acordo com Vicente Nunes, José Dirceu é consultor informal da Bertin. O ex-assessor deve mais um emprego a um amigo que lhe deve eterna gratidão. Waldomiro hoje ganha dinheiro com carne de gado porque nunca deu nome aos bois.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês