Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Augusto Nunes

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Mãe do PAC protagoniza o parto mais demorado de todos os tempos

A Dilma Rousseff dona-de-casa talvez decida sem hesitações quando se reúne com a cozinheira para combinar o  cardápio da semana.  A Dilma Rousseff ministra talvez esbanje agilidade na hora de designar funcionários da Casa Civil para serviços complicados  ─ a fabricação de um dossiê fraudado, por exemplo. A Dilma Rousseff mãe do PAC ameaça implodir a imagem de rápida no gatilho que amigos e companheiros tentam vender […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 17h31 - Publicado em 2 jun 2009, 18h15

A Dilma Rousseff dona-de-casa talvez decida sem hesitações quando se reúne com a cozinheira para combinar o  cardápio da semana.  A Dilma Rousseff ministra talvez esbanje agilidade na hora de designar funcionários da Casa Civil para serviços complicados  ─ a fabricação de um dossiê fraudado, por exemplo. A Dilma Rousseff mãe do PAC ameaça implodir a imagem de rápida no gatilho que amigos e companheiros tentam vender desde janeiro de 2003. Dois anos depois da gravidez anunciada pelo presidente Lula, permaneciam no ventre 97% das 10.914 obras agrupadas no Plano de Aceleração do Crescimento.  Só 319 filhotes choravam no berço ou já engatinhavam.

Se é que será consumado, trata-se do parto mais demorado de todos os tempos: pelo balanço divulgado no fim de semana pelo jornal O Estado de S. Paulo, é mais fácil encontrar um entrevistado por institutos de pesquisa que um  trabalhador dando duro num canteiro de obras do PAC.  Dos R$ 646 bilhões separados para antecipar-se o futuro do colosso tropical, só R$ 47,7 bilhões foram liberados. Essa é a soma que tirou do papel os esquálidos 3%.

Em dezembro, 23% das obras estavam “em andamento”.  O restante continuava na linha imprecisa que separa a ficção da realidade. Ali se aglomeram boas intenções, promessas inviáveis,  fantasias caça-votos e urgências urgentíssimas que nascem e morrem na cabeça de governantes sem compromisso com a verdade. É o caso dos  aeroportos anunciados durante o apagão da aviação civil, do trem-bala entre o Rio e São Paulo, dos presídios de segurança máxima que ficariam prontos até 2006, da ressurreição das ferrovias assassinadas, da reconstrução das malha rodoviária federal devastada pela inépcia ou a reinvenção do transporte fluvial.

Abstraídos os projetos patrocinados por empresas estatais, comprovou o Estadão, o que resta é quase nada. Tanto basta para que siga em frente, ao som da discurseira do padrinho, a candidatura da mãe do que não há.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.