Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Duas semanas depois do incêndio, o Museu Nacional segue abandonado

Mesmo com a liberação do dinheiro, o prédio ainda não foi coberto e as empresas que deveriam fazer os serviços de emergência não foram contratadas pela UFRJ

Por Augusto Nunes Atualizado em 19 set 2018, 16h27 - Publicado em 19 set 2018, 15h39

O ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão não hesita quando lhe perguntam de quem é a culpa pelo incêndio que consumiu o Museu Nacional em 2 de setembro deste ano: a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). “A responsabilidade sobre algo é de quem define o orçamento e a administração da instituição no dia a dia e isso era da alçada da UFRJ”, resumiu Leitão na entrevista ao programa Perguntar Não Ofende. “Entre 2012 e 2017, o orçamento da UFRJ cresceu 49%, enquanto o que foi repassado ao Museu caiu 43%. Nem o ministro da Educação pode dizer ao reitor onde os recursos destinados à universidade devem ser alocados, porque ele tem total autonomia administrativa e orçamentária”.

Embora o Museu não estivesse no grupo de instituições geridas pelo Ministério da Cultura (Minc), Leitão afirma que fez o possível para ajudar. “No primeiro mês da minha gestão, fiz uma reunião com o reitor da UFRJ para tratar, entre outros assuntos, do Museu Nacional e do Canecão”, disse. Numa conversa com o presidente do BNDES, o Minc conseguiu a liberação das verbas, mas faltou justamente o projeto de prevenção e combate a incêndios. O fogo acabou chegando antes do dinheiro.

Dos 3.700 museus brasileiros, quase 500 são federais, mas menos de 40 estão sob a guarda do Minc. Leitão admite que, embora estejam razoavelmente bem cuidadas, essas instituições estão longe dos padrões internacionais. “É preciso mudar o modelo de gestão”, acredita o ministro. “Esse modelo 100% estatal está falido. Não podemos mais confundir estatal com público. É possível não ter uma gestão estatal e ao mesmo tempo cumprir uma finalidade pública”. Para ele, as administrações deveriam ser feitas por Organização Social (OS), parcerias público privadas ou gestão compartilhada.

Outra prova dramática da falência do modelo atual: duas semanas depois do incêndio, o Museu Nacional segue abandonado. Embora algumas grades tenham sido colocadas pela prefeitura a pedido do Minc e a Polícia Federal esteja fazendo a perícia, o prédio ainda não foi coberto e as empresas que deveriam fazer os serviços de emergência não foram contratadas pela UFRJ. “O incêndio aconteceu num domingo e, na segunda, o dinheiro já tinha sido disponibilizado”, contou Leitão. Inexplicavelmente, os dirigentes da universidade permanecem de braços cruzados. Com isso, o museu segue exatamente como estava no dia seguinte ao fogo, e o que não foi consumido pelas chamas pode ser destruído pela chuva ou furtado.

Por que a demora? A resposta vem rápida: “No Brasil de hoje, infelizmente, existe muito mais gente vivendo dos problemas que das soluções”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)