Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Augusto Nunes

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Deonísio da Silva: Brasília é no fim do mundo, depois do Natal

De lá raramente nos chegam boas notícias. Mas o brasileiro é bem-humorado e tira de letra todas aquelas desgraças

Por Augusto Nunes Atualizado em 4 jun 2024, 17h20 - Publicado em 10 dez 2017, 11h19

“Meu cumpadi, em Brasília espalharam um boato/ Que o mundo vai se acabar/ Vancês fiquem de oreia no rádio/ Vancês fiquem de oio no jorná”

De Brasília raramente nos chegam boas notícias. Mas o brasileiro é bem-humorado e tira de letra todas aquelas desgraças, muitas das quais esperadas com tristeza, quando não anunciadas pelos próprios causadores e arautos.

Poucos expressaram o tema do fim do mundo de forma tão divertida como os autores de Moda do Fim do Mundo, tornada popular pela extraordinária persistência da cultura caipira, de que é exemplo o espaço aberto na TV Cultura a profissionais como o apresentador de televisão, músico e ator Rolando Boldrin, de 81 anos, natural de São Joaquim da Barra, a Macondo do Brasil.

A epígrafe deste texto são versos de sua alegre canção sobre o fim do mundo, um tema que costuma rondar as festas de fim ano, que incluem o anúncio do ano-novo.

Mas por que estas festas são antecedidas de tantas profecias confusas? Nesta época do ano, aparecem videntes para anunciar catástrofes diversas e a morte de alguma celebridade, jamais de um dos milhares de anônimos que continuam a morrer mundo afora todos os anos: no trânsito, de fome, de sede, de epidemias diversas, de tudo um pouco.

Continua após a publicidade

Curiosamente, tal como acontece nas referências a vidas passadas, em que muitos dizem terem sido faraós, no mínimo, ou altas autoridades em cortes suntuosas do Egito e da Babilônia, mas nunca faxineiros ou sequer encarregados de preparar os rabanetes, principal alimento dos operários nas pirâmides, há sempre alguém para anunciar também que estas festas serão as últimas, pois vem aí o fim do mundo, já previsto tantas vezes.

O fim do mundo é muito antigo. Os primeiros cristãos acreditavam que Jesus voltaria no fim do primeiro século, chamado também de fim do tempos, para julgar os vivos e os mortos, tal como rezado no Credo, a oração chamada também de símbolo dos apóstolos.

Século veio do Latim “saeculum”, do gênero neutro, e o plural é “saecula”. E está na conhecida expressão per omnia saecula seculorum (por todos os séculos dos séculos, isto é, sempre). A expressão veio de um dito muito popular entre os gregos: eis aióna auónon. Aliás, neste caso houve tradução literal.

Mas, originalmente, “saeculum” designava um tempo que poderia ser de trinta, cinquenta, cem ou de mil anos.

Continua após a publicidade

O cristianismo triunfou primeiramente entre os pagãos, no meio rural, e nas bordas das cidades. Paganus, em Latim, é quem vive nos pagos, isto é, no campo, no meio rural. Para aquelas pessoas simples, pastores, agricultores e pecuaristas, as narrativas tinham que apelar mais aos sentimentos do que à razão.

Ao ouvir ou ver o anúncio de tantas desgraças e calamidades, os atuais caipiras, como na antiguidade os pagãos, levam na brincadeira as sinistras profecias e preferem rir delas, como o fazem Rolando Boldrin e Tom Zé aqui.

Ficam tristes todos aqueles que pensam que o futuro será pior. Estes já começam o jogo perdendo os seus principais aliados: eles mesmos.

*Deonísio da Silva
Diretor do Instituto da Palavra & Professor Titular Visitante da Universidade Estácio de Sá
https://portal.estacio.br/instituto-da-palavra

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.