Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Augusto Nunes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A farra aérea dos dois casos de polícia que comandam o Carandiru sem grades

Tanto pelo número de páginas quanto pela abrangência dos delitos, que vão de A a Z nos atropelamentos do Código Penal, o prontuário de Renan Calheiros lembraria um dicionário caso fosse transformado em livro. Se a lei valesse para todos, o cangaceiro de terno e gravata teria perdido há muito tempo o direito de ir […]

Por Augusto Nunes
Atualizado em 31 jul 2020, 05h50 - Publicado em 4 jul 2013, 19h19

Tanto pelo número de páginas quanto pela abrangência dos delitos, que vão de A a Z nos atropelamentos do Código Penal, o prontuário de Renan Calheiros lembraria um dicionário caso fosse transformado em livro. Se a lei valesse para todos, o cangaceiro de terno e gravata teria perdido há muito tempo o direito de ir e vir. No Brasil do lulopetismo, vai e vem em aviões da Força Aérea Brasileira. De graça.

Nesta quarta-feira, descobriu-se que Renan, valendo-se das prerrogativas de presidente do Senado, requisitou um jatinho da Aeronáutica para comparecer ao casamento da filha de Eduardo Braga, líder do governo na Casa do Espanto. Embora represente o Amazonas e more em Manaus, Braga decidiu que a noiva Brenda merecia uma festança na praia de Trancoso, no litoral baiano.

No dia 15 de junho, o cliente VIP da FABTur decolou de Maceió no fim da tarde, pousou em Porto Seguro menos de uma hora depois, foi de carro oficial para Trancoso, comeu do bom e do melhor, bebeu sem medo de leis secas, voltou para o aeroporto no carro chapa-branca, embarcou na madrugada rumo a Brasília, desfrutou do sono dos sem-remorso e acordou achando que a vida vale a pena. Principalmente para portadores de salvo-conduto para delinquir.

Continua após a publicidade

“Dois casos de polícia vão chefiar o Carandiru sem grades”, informou o título do texto aqui publicado em 16 de janeiro, quando ficou assegurada a eleição de Renan e de Henrique Alves. A farra aérea que acaba de devolver a dupla ao  noticiário exige a reprise do post:

“Em nações politicamente adultas, Renan Calheiros e Henrique Alves não passariam da primeira anotação no prontuário: antes da segunda patifaria, seriam transferidos da tribuna para um tribunal, teriam o mandato cassado e só voltariam ao Congresso para depor em alguma CPI ou, depois da temporada no presídio, fantasiados de turistas. Num Brasil com cara de clube dos cafajestes, o senador alagoano vai presidir a Casa do Espanto e o deputado potiguar vai administrar o Feirão da Bandidagem. Faz sentido.

A seita lulopetista aprendeu que folha corrida é currículo, integridade é defeito e honra é coisa de otário. Como nas disputas promovidas mensalmente pela coluna para a escolha do Homem sem Visão do Ano, a eleição do presidente da Câmara ou do Senado comprova que os congressistas votam no candidato que lhes pareça o pior entre os piores. A galeria dos eleitos depois do advento da Era da Mediocridade confirma que, quanto mais alentado for o prontuário, maior será a chance de vitória.

Continua após a publicidade

Indicados pelo PMDB, com o endosso de partidos da base alugada e o apoio da oposição oficial, Renan e Henrique Alves estão à altura dos atuais ocupantes do cargo. José Sarney só não foi despejado da presidência do Senado porque Lula o promoveu a Homem Incomum e os oposicionistas estão em férias há 10 anos (veja o post reproduzido na seção Vale Reprise). Renan teve de renunciar ao posto para escapar da cassação que até seus comparsas achavam inevitável. Marco Maia acha muito natural que um deputado condenado pelo STF passe o dia no plenário e a noite na cadeia. Henrique Alves já avisou que, se José Genoíno precisar de um coiteiro, é só chamar o presidente.

Contemplada do lado de fora, a sede do Parlamento brasileiro é uma bela criação da grife Niemeyer. Visto por dentro, sobretudo por quem conhece a face escura dos inquilinos, o lugar onde deveria haver um Congresso é reduzido a um acampamento de meliantes com um terno escuro que não se dá com a gravata, sorriso de aeromoça e a expressão confiante de quem confunde imunidade parlamentar com licença para pecar.

O Congresso virou um Carandiru sem grades. É natural que seja dirigido por casos de polícia.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.