Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Alexandre Schwartsman Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Economista, ex-diretor do Banco Central
Continua após publicidade

O tamanho da encrenca

Desmontamos uma conta fajuta do Tesouro Nacional

Por Alexandre Schwartsman
Atualizado em 9 fev 2024, 11h15 - Publicado em 9 fev 2024, 06h00

O governo federal contabilizou déficit primário de 230 bilhões de reais no ano passado, equivalente a 2,1% do PIB. Corrigido pela inflação, é o maior desde que começamos a registrá-lo, exceto, é claro, pelo resultado de 2020, o ano da pandemia.

Não faltou quem tentasse dourar a pílula, chegando ao paradoxo de afirmar que o enorme desequilíbrio do ano passado refletia, na verdade, “a arrumação da casa” (não quero nem pensar o estado da casa em que o responsável pela opinião vive). A própria Secretaria do Tesouro (STN) alimentou esse mito no material de divulgação do resultado de dezembro, deduzindo dele o desembolso realizado naquele mês relativo aos precatórios atrasados por causa da malfadada emenda constitucional de 2021 que instituiu um limite ao pagamento dessas despesas.

Segundo a STN, como foram desembolsados 92,4 bilhões de reais em dezembro referentes a tais gastos, tendo em vista a decisão do STF que considerou inconstitucional a referida emenda (não me pergunte), o resultado anual teria sido, na verdade, um déficit de 144 bilhões. Essa conta é fajuta.

Na verdade, os 92,4 bilhões dizem respeito a precatórios não pagos desde o final de 2021, ou seja, em 2022, mas também em 2023. Embora a STN tente empurrar a responsabilidade do gasto em dezembro para o governo anterior (que tem, sim, culpa no cartório, por ter proposto casuisticamente a tal emenda), as despesas com precatórios não pagos em 2023 teriam que ser contabilizadas no resultado de… 2023.

Quando da promulgação da emenda em 2021 a Consultoria de Orçamento da Câmara estimava que cerca de 43,5 bilhões não seriam pagos em 2022. Uma boa aproximação, portanto, sugere que perto de metade dos 92,5 bilhões desembolsados em dezembro refere-se a 2022 (logo, a metade restante teria que ser paga em 2023).

Continua após a publicidade

“O certo, nas contas do déficit fiscal de 2023, seria descontar só metade do valor dos precatórios”

Não faz, portanto, sentido deduzir 92,4 bilhões do déficit do ano passado, mas metade deste valor, já que a outra metade se materializaria de qualquer jeito em 2023.

Em números, o déficit de 2023 teria atingido perto de 190 bilhões de reais; já em 2022, ao invés de um superávit de 55 bilhões de reais, teríamos um superávit na casa de 12 bilhões de reais. De uma forma ou outra, uma deterioração impressionante das contas públicas no ano passado.

À parte a piora do resultado, a forma como se concretizou não sugere coisa boa para o futuro. Houve aumento expressivo das despesas obrigatórias, isto é, gastos que se repetirão (isto se não crescerem ainda mais) de um ano para outro, reduzindo a já minúscula flexibilidade do orçamento federal.

Continua após a publicidade

Isso explica o apetite do governo por novas receitas, mas a verdade é que o problema não pode ser resolvido dessa forma. A persistir o crescimento da despesa obrigatória, até o frouxo “novo arcabouço fiscal” não dará conta, a menos que estejamos dispostos a ver a carga tributária também crescer indefinidamente (acreditem: não é uma boa ideia).

Independentemente de atingirmos (ou não, como temo) a meta fiscal de 2024, a encrenca é bem maior do que supõe o afã dos bajuladores.

Publicado em VEJA de 9 de fevereiro de 2024, edição nº 2879

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.