Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
A Origem dos Bytes Por Filipe Vilicic Crônicas do mundo tecnológico e ultraconectado de hoje. Por Filipe Vilicic, autor de 'O Clube dos Youtubers' e de 'O Clique de 1 Bilhão de Dólares'.

Exclusivo: um balanço da segurança digital nas Olimpíadas do Rio

Equipe responsável pela operação revela dados a este blog, como as tentativas de invasões por hackers ao sistema dos Jogos

Por Filipe Vilicic Atualizado em 30 jul 2020, 21h05 - Publicado em 19 dez 2016, 17h43

O diretor do centro de operações de tecnologia do Comitê Olímpico da Rio 2016, Marcelo Souza, realizou um balanço dos resultados relacionados à segurança digital dos Jogos. Com exclusividade a este blog, o executivo revelou o seguinte.

Toda a equipe dessa área contava com 400 profissionais (além de 1 600 voluntários), de 25 nacionalidades. Eles ficaram responsáveis por realizar a manutenção e monitorar o funcionamento de tecnologias que iam do sensor que identificava o segundo no qual um nadador tocava na margem da piscina (para, assim, definir quem ganhou uma prova), a sistemas de segurança que protegiam a página oficial dos Jogos, forneciam eletricidade para as arenas etc. Só no site da Olimpíada, registrou-se 83 milhões de usuários únicos em 20 dias, contabilizando uma circulação acima de 2 petabytes de dados. Apenas de transmissões de disputas via streaming (em suma, vídeos na internet), somaram-se 7 bilhões de acessos.

Durante o evento, foram emitidos 45 milhões de alertas de segurança – perigos de menor escala, como quando alguém acessava o site dos Jogos por meio de um computador infectado com um vírus. Mas, mais preocupante, detectaram-se 24 milhões de ataques, que é quando um hacker tenta tomar de assalto um desses sistemas, por razões diversas – novamente, do site até os sensores que monitoravam os rendimentos de atletas. Dentre esses, incluem-se suspeitas de terrorismo. Como também de hackers “brincalhões” que queriam somente derrubar o sistema por “zoeira”.

“Felizmente, conseguimos bloquear todas essas agressões virtuais, que poderiam vir a prejudicar a Olimpíada no Rio”, garantiu Souza, em entrevista à repórter Talissa Monteiro. “Os ataque vinham de várias origens, de vários países, de dispositivos de todas as sortes”, complementou.

Para acompanhar este blog, siga-me no Twitter, em @FilipeVilicic, e no Facebook.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês