Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
A boa e velha reportagem Por Diogo Schelp Uma seleção comentada do melhor do jornalismo mundial em vídeo, foto ou texto. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Spotlight: o jornalismo investigativo não acabou

Fui assistir recentemente a Spotlight, indicado para o Oscar deste ano em seis categorias, menos pelo interesse no filme em si do que pela curiosidade em entender a razão pela qual tanta gente saiu do cinema acometida pela nostalgia, lamentando o suposto fim do jornalismo investigativo. “Bons tempos em que as redações podiam se dedicar a […]

Por Diogo Schelp Atualizado em 30 jul 2020, 23h34 - Publicado em 6 fev 2016, 06h58
Spotlight

Cena de ‘Spotlight’, que concorre ao Oscar em seis categorias, inclusive melhor filme (Divulgação/Veja.com)

Fui assistir recentemente a Spotlight, indicado para o Oscar deste ano em seis categorias, menos pelo interesse no filme em si do que pela curiosidade em entender a razão pela qual tanta gente saiu do cinema acometida pela nostalgia, lamentando o suposto fim do jornalismo investigativo. “Bons tempos em que as redações podiam se dedicar a reportagens de fôlego como a que o filme retrata” — li, com incredulidade, frases como esta em críticas na internet e em posts do Facebook, muitos escritos por colegas jornalistas. A história da investigação feita por repórteres do jornal americano The Boston Globe narrada no filme é realmente empolgante. Acho que até quem não é do ramo fica com vontade de sair por aí desbaratando redes de padres pedófilos. E é compreensível que os colegas que estão fora do mercado tenham sentido saudades dos tempos de redação.

Eu mesmo relembrei as minhas próprias reportagens sobre os abusos sexuais de menores na Igreja americana e as entrevistas que fiz com advogados, vítimas, padres e especialistas no assunto (dois desses textos podem ser lidos aqui e aqui).

Saudades, sim. O saudosismo, porém, não se justifica. O jornalismo investigativo está mais vivo do que nunca.

A história contada em Spotlight é recente. Passa-se em 2001, quando uma equipe do Boston Globe começou a puxar os fios da conivência da cúpula da Igreja com os abusos sexuais cometidos por padres. O trabalho durou meses e, na fase retratada no filme, envolveu diretamente quatro jornalistas. “Ninguém mais investe tanto tempo e mão-de-obra em um reportagem”, foi um dos comentários que ouvi por aí. Falso. A própria Spotlight, a editoria especializada em jornalismo investigativo do Boston Globe que é retratada no filme, continua existindo, e hoje é composta de sete, não apenas quatro, jornalistas. Um dos que continuam atuantes na editoria é Michael Rezendes, vivido na película por Mark Ruffalo (indicado ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante pelo papel).

Evidentemente, muitos jornais, inclusive no Brasil, cortaram suas equipes e reduziram o tempo que seus repórteres podem se dedicar a apurações que jogam o holofote (“spotlight”, em inglês) sobre fatos ocultos de interesse público. Mas isso é compensado por uma ferramenta que, paradoxalmente, costuma ser apontada como a responsável pela “morte” do jornalismo investigativo: a internet.

Continua após a publicidade

As facilidades da internet dão rapidez e reduzem o custo das reportagens investigativas. Em entrevista a Sarah Larson, da revista New Yorker, Walter Robinson (interpretado por Michael Keaton no filme) fala da dificuldade que os jornalistas tinham, no início da década passada, de reunir amplos conhecimento sobre determinado assunto. “Naqueles dias, se houvesse um caso (de abuso sexual) em Nova Orleans e outro em Dallas, a não ser que o New York Times ou a New Yorker ou a CBS News tivessem divulgado o fato nacionalmente, como seria possível para nós tomar conhecimento deles?” Essa sensação de isolamento desapareceu com a internet. Hoje, com uma simples busca no Google ou nos bancos de dados online das publicações é possível ligar acontecimentos aparentemente desconexos e ter uma noção geral sobre os antecedentes de certo fenômeno para se começar uma investigação profunda sobre determinado assunto. Sugiro esse exercício a quem pretende assistir ao filme: diante das dificuldades que os personagens de Spotlight enfrentam para conseguir as informações, tente imaginar como um jornalista faria para obtê-las hoje, com a ajuda da internet. Um exemplo: há uma cena em que Rezendes pega um avião só para xerocar alguns documentos em um cartório. Atualmente, em muitos casos é possível acessá-los pela internet.

Para quem ainda acha que o jornalismo investigativo está definhando, sugiro que atente para grandes trabalhos de reportagem que estão sendo realizados por veículos de comunicação no Brasil e no mundo — inclusive por títulos que existem exclusivamente na internet. Não preciso falar aqui das revelações sobre corrupção feitas por meus colegas de VEJA e que dominam o noticiário nacional. Para ficar apenas com exemplos internacionais, há o trabalho corajoso de jornalistas mexicanos que escarafuncham os vínculos entre o narcotráfico e as autoridades, apesar do risco de serem mortos por isso. Na Rússia, apesar da perseguição aos jornalistas, também não faltam aqueles que se dedicam a expor os podres do poder. Na Alemanha, o esforço de publicações como a revista Der Spiegel tem sido o de revelar as maracutaias dos cartolas do futebol na esteira do escândalo da Fifa — sim, até lá isso acontece.

Como observa Peter Preston neste artigo no jornal britânico The Guardian, “o termo ‘jornalismo investigativo’ descreve maneiras e meios, não assuntos”. O que não falta no mundo são temas para serem investigados. E, enquanto houver gente interessada em saber sobre eles, existirá quem se dedique a desencavá-los.

Siga no Twitter e no Facebook

LEIA TAMBÉM:

Os alemães estão errados em ensinar boas maneiras aos refugiados?

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)