Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

A boa e velha reportagem Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Diogo Schelp
Uma seleção comentada do melhor do jornalismo mundial em vídeo, foto ou texto. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Para os refugiados, uma vila olímpica em ruínas…

Uma das grandes novidades das Olimpíadas Rio-2016 é a equipe de atletas refugiados. A exemplo das delegações “nacionais”, eles estão alojados na Vila Olímpica, que foi criticada antes da abertura, em especial pelos australianos, por problemas de infraestrutura. A 9.700 quilômetros do Rio, no entanto, há um grupo de 2.000 refugiados vivendo também em instalações olímpicas […]

Por Diogo Schelp Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 30 jul 2020, 22h07 - Publicado em 12 ago 2016, 17h19
Grécia

“Bem-vindos ao lar”, diz anúncio em estádio abandonado em Atenas

Uma das grandes novidades das Olimpíadas Rio-2016 é a equipe de atletas refugiados. A exemplo das delegações “nacionais”, eles estão alojados na Vila Olímpica, que foi criticada antes da abertura, em especial pelos australianos, por problemas de infraestrutura. A 9.700 quilômetros do Rio, no entanto, há um grupo de 2.000 refugiados vivendo também em instalações olímpicas para os quais os alojamentos cariocas seriam um hotel de luxo. Refiro-me a um acampamento improvisado pelas autoridades gregas em um subúrbio de Atenas, no que sobrou dos estádios onde foram disputadas as partidas de hóckey e de basquete nas Olimpíadas de 2004.

A maioria dos refugiados que vivem nas barracas instaladas nos estádios em ruínas, como mostra este ensaio fotográfico do jornal britânico The Guardian, vieram do Afeganistão. Cercas de arame farpado cercam o lugar, não para evitar a entrada e saída dos refugiados, mas para controlar os visitantes. Segundo relata em artigo no jornal americano New York Times o escritor e cineasta Dove Barbanel, que dá aulas de inglês para as crianças afegãs, o principal problema lá é o tédio. Não há escola para as crianças. Resta a elas e aos adolescentes jogar futebol — o dia inteiro, todos os dias. Desde que a Macedônia fechou as fronteiras com a Grécia, 60.000 emigrantes clandestinos estão empacados no país, sem poder continuar a desejada viagem rumo ao coração da Europa.

Os atletas refugiados no Rio são um importante símbolo da necessidade de aceitar e encontrar um destino digno para aqueles que são obrigados a abandonar seus países em busca de paz e segurança. Mas a realidade nos países por onde eles passam é bem diferente.

Continua após a publicidade

No sábado, 6, mesmo dia em que a nadadora húngara Katinka Hosszú pulverizou o recorde mundial nos 400 metros medley, a refugiada síria Yusra Mardini venceu uma bateria eliminatória nos 100 metros borboleta. A TV M4, da Hungria, porém, censurou a transmissão. O nome da atleta síria não foi citado nenhuma vez. O das outras quatro atletas disputando a prova, sim. O comentarista da TV estatal conseguiu omitir o nome de Yusra mesmo depois de ela vencer a bateria.

O que há por trás disso? Política, claro. Lembra da cinegrafista húngara que passou uma rasteira em um refugiado sírio com o filho nos braços em outubro do ano passado? O governo nacionalista húngaro foi um dos primeiros a fechar as portas para aqueles que tentavam passar por seu país rumo à Alemanha.

O objetivo olímpico de difundir a paz e a dignidade humana esbarra na dura realidade da geopolítica.

Continua após a publicidade

LEIA TAMBÉM:

Eles se arriscam para salvar vidas na Síria

Saiba o que aconteceu com a família de Aylan Kurdi

Continua após a publicidade

Os alemães estão errados em ensinar boas maneiras aos refugiados?

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.