Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

A boa e velha reportagem Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Diogo Schelp
Uma seleção comentada do melhor do jornalismo mundial em vídeo, foto ou texto. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Os anos 60 estão de volta — mas a que custo?

O escritor britânico Philip Norman, conhecido por suas biografias dos Beatles, escreveu um artigo interessante na revista New Statesman sobre o sazonal interesse nos anos 60. Ele cita uma exposição em Londres, um documentário novo sobre os Beatles e uma série de livros recém-lançados para concluir que aquele período tem fascinado a geração que se tornou […]

Por Diogo Schelp Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 30 jul 2020, 21h41 - Publicado em 1 out 2016, 08h22
Bardot

Brigitte Bardot em 1969, na Itália

O escritor britânico Philip Norman, conhecido por suas biografias dos Beatles, escreveu um artigo interessante na revista New Statesman sobre o sazonal interesse nos anos 60. Ele cita uma exposição em Londres, um documentário novo sobre os Beatles e uma série de livros recém-lançados para concluir que aquele período tem fascinado a geração que se tornou adulta neste milênio. Nada que já não tenha acontecido antes. Desde a metade dos anos 80, diz Norman, anuncia-se de tempos em tempos que “os anos 60 estão de volta” — na moda e na cultura, principalmente.

Apesar de focar na experiência britânica daquela década, Norman faz uma observação que vale também para o Brasil: o fascínio da nova geração pelos anos 60 é um fenômeno de “nostalgia sem memória” ou mesmo de “inveja sem memória”. Ou seja, alimenta-se uma noção idealizada daquele período que, em muitos pontos, não condiz com a realidade.

LEIA TAMBÉM:

Continua após a publicidade

A sociedade está obcecada com coisas fofas. Entenda o porquê

Spotlight: o jornalismo investigativo não acabou

‘Nunca desconfiei que meus pais fossem espiões russos’, diz jovem cuja história inspirou a série The Americans

Continua após a publicidade

No artigo, Norman enumera as coisas boas daquele período (como eu já ressaltei, ele o faz quase sempre do ponto de vista britânico) e também as ruins, que muitas vezes são esquecidas. Entre as boas: um florescimento da liberdade e da tolerância, a popularização da pílula contraceptiva, o fim da censura no teatro (ele está falando da Inglaterra, lembre-se!), a descriminalização do homossexualismo e a emergência do feminismo. Entre as ruins: a profusão de greves trabalhistas, a repressão a um movimento democrático na Checoslováquia comunista, os horrores da Revolução Cultural na China, o apartheid na África do Sul, a fome na Índia e a ameaça de destruição nuclear mútua entre URSS e EUA. Sobre a radicalização das ideologias de esquerda e os protestos populares que se acentuaram mais para o final da década, Norman faz uma observação curiosa: na Inglaterra, as manifestações e a militância cada vez mais extremada quase não encontravam razão de ser, pois os britânicos não tinham contra o que protestar. (O motivo mais citado, a Guerra do Vietnã, não tinha a participação britânica.)

Lembra muito a insistência de uma parcela da população brasileira em estabelecer paralelos entre a atual realidade política e a dos anos 60, quando houve o golpe militar. Como, do ponto de vista dos fatos, são episódios absolutamente diferentes, fica a impressão de que o que existe de fato é um desejo, pelo menos de uma parte da geração atual (os chamados millennials), de ter vivido o período da ditadura apenas para ter tido motivo para se revoltar contra alguma coisa.

É uma nostalgia sem memória. Se soubessem como é viver de fato sob uma ditadura, não teriam esse desejo mal dissimulado.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.