Vestígios de ocupação de 4 000 anos podem revelar como era o Rio de Janeiro pré-histórico | VEJA
Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Vestígios de ocupação de 4 000 anos podem revelar como era o Rio de Janeiro pré-histórico

Nas escavações do metrô da Linha 4, os pesquisadores encontraram pontas de lanças, machadinhas e batedores que pertenceram a povos anteriores ao surgimento das tribos indígenas brasileiras

Por Da Redação Atualizado em 6 Maio 2016, 16h02 - Publicado em 28 jul 2015, 20h05

Escavações do metrô do Rio de Janeiro revelaram quase 500 artefatos feitos com pedras e conchas, vestígios de uma ocupação humana que viveu entre 3 000 a 4 000 anos atrás na capital fluminense. Os restos de um sambaqui (depósitos orgânicos e calcários de povos caçadores-coletores) foram descobertos por arqueólogos em meio ao material recolhido em 2013 no canteiro de obras para a ampliação da Linha 4, no bairro da Leopoldina.

Entre os cerca de 50 artefatos já catalogados há pontas de lanças, raspadores usados para cortar carne, machadinhas e batedores, uma espécie de martelo primitivo.

“As peças pré-históricas vão nos ajudar a contar uma parte importante da história do processo populacional primitivo no Rio de Janeiro. Deparar-se com uma descoberta destas no centro do Rio, uma área que já passou por vários ciclos de ocupação e é tão movimentada, é fantástico”, afirmou o arqueólogo Claudio Prada de Mello, coordenador da equipe que descobriu os objetos.

Leia também:

Estudantes franceses encontram dente humano de 560 mil anos

Continua após a publicidade

Pesquisadore da USP planejam exumar restos mortais de Dom Pedro II

Antes de ser aterrado, o bairro era uma região pantanosa, propícia para a ocupação de povos nômades, que viviam da caça, pesca e coleta de alimentos. O material encontrado data de antes do surgimento dos índios organizados em tribos e será analisado pelos pesquisadores para tentar descobrir mais detalhes sobre os hábitos desses povos.

Sítio arqueológico – As escavações para o metrô foram concluídas e, aos poucos, os cientistas estão pesquisando e catalogando as descobertas. A área das descobertas é o local onde funcionava o Matadouro Imperial que, após demolido e transferido de lugar em 1881, foi coberto com terra.

No mesmo terreno, em outra camada de escavação, foram também achados há alguns anos cerca de 220 000 artefatos, restos e objetos de uso cotidiano da época do imperador Dom Pedro II, como perfumes, remédios, louças, porcelanas, garrafas, cerâmicas e joias de ouro.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade