Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Uso excessivo do Facebook pode destruir relacionamentos

Relações de quem usa muito a rede social são mais turbulentas, diz estudo

O Facebook pode ser uma boa ferramenta para fazer novas amizades e cultivar as antigas. Mas no campo dos relacionamentos amorosos, sua influência pode não ser tão positiva. Um estudo feito na Universidade do Missouri, nos Estados Unidos, mostra que as relações de quem usa muito o Facebook são mais turbulentas e que desentendimentos gerados pelo uso intenso da rede social podem resultar em traição e no término do namoro ou casamento.

O estudo foi realizado com usuários do Facebook com idades entre 18 e 82 anos. Os participantes informaram a frequência com que utilizavam a rede social e se já tiveram conflitos com algum parceiro devido ao uso da ferramenta.

Analisando os resultados, os pesquisadores descobriram que casais que usavam muito o Facebook brigavam mais. “Estudos anteriores mostraram que quanto mais uma pessoa utiliza o Facebook, maiores são as chances de que ela monitore a atividade do parceiro de forma mais intensa, o que pode provocar ciúmes”, afirma Russell Clayton, doutorando da escola de Jornalismo da Universidade do Missouri e um dos autores do estudo.

Além de induzir o ciúme, de acordo com Clayton, os recursos do Facebook também podem reaproximar antigos parceiros – e arruinar seus novos relacionamentos. O pesquisador afirma que esse efeito foi mais intenso em namoros recentes, de três anos ou menos. “Isso sugere que o Facebook pode ser uma ameaça para relacionamentos que não estão completamente maduros”, afirma Clayton.

O estudo será publicado no periódico Journal of Cyberpsychology, Behavior and Social Networking.

Leia também:

Casais que se conhecem pela internet se divorciam menos

Quem se casa vive mais, diz estudo

Estudo comprova: casamento feliz faz bem ao coração

Casamento faz mulheres beberem mais – e homens, menos

Sistema imunológico de ratos “infiéis” é mais forte do que o de animais comportados

Sociedades poligâmicas são mais violentas, diz pesquisa

Caneta, papel e 21 minutos podem salvar o casamento