Clique e assine a partir de 8,90/mês

Trio que descobriu vírus da hepatite C vence Nobel de Medicina

Os americanos Harvey J. Alter e Charles M. Rice e o britânico Michael Houghton são os ganhadores

Por Da Redação - Atualizado em 5 out 2020, 08h55 - Publicado em 5 out 2020, 08h19

O Prêmio Nobel de Medicina foi concedido nesta segunda-feira, 5, aos virologistas Harvey J. Alter, Michael Houghton e Charles M. Rice. O trio foi premiado pelo trabalho na descoberta do vírus da hepatite C. Alter e Rice são americanos, e Houghton é britânico. Os três vão dividir o valor de 10 milhões de coroas suecas, cerca de 6,4 milhões de reais.

Thomas Perlmann, secretário-geral do comitê do Nobel, justificou a concessão do prêmio aos três pesquisadores dizendo que o vírus afeta milhões de pessoas. Segundo o comitê, a OMS estima que mais de 70 milhões de casos de hepatite são diagnosticados todos os anos, causando 400.000 mortes. Não há vacina para o tipo C, mas há tratamento, com taxas de cura acima de 95%.

“Seu trabalho é uma conquista histórica em nossa luta contínua contra as infecções virais”, afirmou Gunilla Karlsson Hedestam, integrante da Assembleia Nobel que decide os vencedores.

Os virologistas premiados conduziram uma série de pesquisas desde a década de 70. Alter foi pesquisador do Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH, na sigla em inglês) e desenvolveu estudos que mostraram que um vírus desconhecido associado a transfusões de sangue era o causador da hepatite crônica.

Mais tarde, em 1987, Houghton, que é diretor do Instituto de Virologia Aplicada da Universidade de Alberta, no Canadá, conseguiu clonar fragmentos do RNA do vírus da hepatite C a partir do sangue de um chimpanzé infectado e compará-los com anticorpos de pacientes humanos infectados.

Continua após a publicidade

Por fim, em 1997, Rice forneceu a evidência final mostrando que o vírus da hepatite C podia, sozinho, causar a doença. Professor da Universidade Rockefeller, nos EUA, ele conseguiu provocar a enfermidade em chimpanzés usando apenas um patógeno artificial reconstruído a partir do RNA do vírus.

O trabalho dos três cientistas levou ao estabelecimento de testes diagnósticos que permitem a implementação de medidas preventivas e, mais recentemente, a terapias efetivas contra a hepatite C.

Após o anúncio dos vencedores, Thomas Perlmann disse que conseguiu falar com Harvey Alter e Charles M. Rice, e que ambos ficaram “muito animados” ao receberem a notícia.

Com este 111º Nobel de Medicina já são 222 os laureados com o prêmio de “Fisiologia ou de Medicina” desde sua criação, um grupo que inclui apenas 12 mulheres.

Todos os prêmios do Nobel são entregues no dia 10 de dezembro, aniversário da morte do fundador, Alfred Nobel, em eventos paralelos em Estocolmo. O comitê agracia cientistas, escritores e economistas. O Nobel da Paz será celebrado em Oslo. Tanto os anúncios da premiação quanto a entrega serão nesta edição em formato reduzido devido à pandemia da Covid-19. 

Continua após a publicidade
Publicidade