Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Tiranossauro rex era um amante sensível

Segundo novo estudo, o focinho e a pele que revestia o crânio era ultrassensível, característica fundamental para o sucesso da reprodução desses dinossauros

Por Da redação Atualizado em 3 abr 2017, 13h13 - Publicado em 30 mar 2017, 18h30

Além de ter o corpo coberto por penas multicoloridas e a voz possivelmente parecida com os sons emitidos por rolinhas e avestruzes, o Tiranossauro rex também era um amante sensível. O último detalhe do perfil do carnívoro de quase seis metros de altura que aterrorizava as florestas da Terra entre 100 milhões e 65 milhões de anos atrás, foi descrito nesta quinta-feira, na revista Scientific Reports: o focinho do dinossauro era ultrassensível, uma característica importante para o ritual de acasalamento.

“Durante a corte, os Tiranossauros deveriam esfregar suas faces sensíveis uns nos outros em uma fase vital dos jogos que precedem a cópula”, escrevem os autores no estudo.

  • Segundo o estudo, feito por pesquisadores do Carthage College, nos Estados Unidos, a pele que revestia o crânio do grupo dos Tiranossauros era muito sensível, comparável aos crocodilos atuais, que têm os focinhos mais sensíveis que as pontas dos dedos humanos. A característica é útil para explorar os arredores, construir ninhos, movimentar ou carregar os ovos e os filhotes sem machucá-los. Contudo, a sensibilidade tátil também parece ter sido fundamental para o sucesso na reprodução dos Tiranossauros – sem o estímulo no rosto, fase essencial antes da cópula, o acasalamento estaria ameaçado.

    Um novo Tiranossauro

    A descoberta foi possível graças a fósseis encontrados em Montana, nos Estados Unidos, em 2016, que pertencem a uma nova espécie de Tiranossauro, o Daspletosaurus horneri. O estudo, que descreve o novo membro do grupo, analisa a textura dos ossos faciais e oferece importantes evidências para a anatomia e evolução dos Tiranossauros.

    Reconstrução da face do ‘Daspletosaurus horneri’, mostrando detalhes da pele que revestia o crânio. Divulgação/VEJA.com

    Segundo os pesquisadores, a face desses dinossauros era recoberta com uma camada protetora com um alto grau de sensibilidade, similar aos jacarés e crocodilos atuais. A pele era repleta de numerosas aberturas que permitiam que ramos do nervo trigêmeo (nervo craniano com predomínio da função sensitiva que, em mamíferos, répteis e aves modernas recebem os sinais do ambiente) atingissem a superfície, tornando-a extremamente sensível. Algo semelhante ocorre atualmente em crocodilos e jacarés que, antes do acasalamento, esfregam as faces umas nas outras para estimular a reprodução.

    “Os Tiranossauros são idênticos aos crocodilianos pois os ossos de seus focinhos e maxilares são ásperos, exceto por uma faixa estreita de ossos lisos ao longo da linha dos dentes. Não encontramos nenhuma evidência de lábios nos tiranossauros, a textura áspera é coberta por escamas que se estende quase até a linha dos dentes, o que não deixa espaço para eles”, afirmou Thomas Carr, líder do estudo, em comunicado.

    De acordo com os pesquisadores, a descoberta traz indícios de como se deu o desenvolvimento do grupo dos Tiranossauros e oferece novas evidências de sua evolução. “Nossa descoberta de uma rede sensorial complexa é especialmente interessante porque é derivada do nervo trigêmeo que teve uma extraordinária história evolutiva e se transformou em um tipo de ‘sexto sentido’ em diversas espécies”, afirmou Jayc Sedlmayr, da Universidade do Estado da Louisiana, nos Estados Unidos, um dos autores do estudo, em comunicado.

    Continua após a publicidade
    Publicidade