Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Tecnologia revela detalhes da múmia de Amenhotep I, de 3 mil anos de idade

Pesquisa usou imagens em 3D para determinar idade, altura e até joias usadas pelo monarca

Por Da Redação 28 dez 2021, 15h47

Descoberta há 140 anos na região de Deir el-Bahari, no Egito, a múmia do faraó Amenhotep I é uma das poucas que não foram desembrulhadas em tempos recentes, para evitar o desgaste das bandagens e do corpo. Até hoje, ela continua preservada da maneira como foi encontrada, mas a tecnologia conseguiu revelar os mistérios do antigo monarca.

Um estudo publicado no periódico científico Frontiers in Medicine e liderado por Sahar Saleem, professora de radiologia na Universidade do Cairo, dá detalhes inéditos de Amenhotep. De acordo com uma técnica de varredura topográfica computadorizada, sabe-se que o faraó morreu aos 35 anos de idade. “Ele tinha aproximadamente 169 cm de altura, era circuncidado e tinha dentes em bom estado. Por baixo das bandagens, ele usava 30 amuletos e um cinto com contas de ouro”, escreveu a pesquisadora.

A tecnologia, que gera uma imagem em três dimensões, permite ver em detalhes como o processo de mumificação é eficaz em preservar cada osso do corpo do faraó. Não foi possível determinar a causa de sua morte, já que nenhum ferimento foi encontrado. Ele foi a ser enterrado com os braços cruzados sobre o peito e, curiosamente, não teve seu cérebro removido, uma prática comum.

Imagem em 3D mostrando o corpo preservado de Amenhotep I dentro do sarcófago
Imagem em 3D mostrando o corpo preservado de Amenhotep I dentro do sarcófago Frontiers in Medicine/Divulgação

Amenhotep I foi o segundo rei da 18ª dinastia e ascendeu ao trono após a morte de seu pai, Ahmore I. Comandou o Egito por 21 anos entre 1525 e 1504 a.C. Seu reinado foi tranquilo e ele concentrou seus esforços na construção de templos. Seu nome significa “Ámon está satisfeito”.

De acordo com hieróglifos decodificados por pesquisadores, sacerdotes fizeram reparos na múmia de Amenhotep I durante o século 11 a.C. Na época, ladrões de tumba causaram ferimentos no corpo do faraó para tentar remover as joias enterradas com ele. A imagem em 3D mostrou que a cabeça foi separada do corpo e afixada novamente pelos sacerdotes com uma faixa de linho tratada com resina. A múmia foi transferida para para o complexo de Deir el-Bahari, perto de Luxor, para ficar segura.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)