Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Tatuagem mais antiga do mundo é encontrada em múmia de 5 mil anos

A descoberta antecipa em um milênio a história das tatuagens na África e indica que homens também modificavam seus corpos, ao contrário do previsto

Cientistas descobriram as primeiras tatuagens figurativas de que se tem notícia no mundo, cravadas na pele de duas múmias egípcias com mais de 5.000 anos. Os corpos em que as marcas foram encontradas estão guardados no Museu Britânico, no Reino Unido, e pertencem a um homem e a uma mulher que viveram no período pré-dinástico do Egito, antes do país ser unificado pelo primeiro faraó. Um estudo detalhando a descoberta, publicado nesta quinta-feira no periódico científico Journal of Archaeological Science, afirma que a revelação obriga os cientistas a rever tudo o que se sabe a respeito do surgimento das tatuagens na África.

A pesquisa estima que as primeiras tatuagens datem entre 3351 e 3017 a.C., quase um milênio antes do que os registros mais antigos apontavam até então. Segundo o museu, essas também são as provas mais antigas desse tipo de prática em mulheres e a primeira já registrada em homens.

O corpo masculino, que ficou conhecido como Homem de Gebelein, é considerado uma das múmias com a melhor preservação do mundo e é exibida no museu desde sua descoberta, há cerca de 100 anos. Os arqueólogos acreditam que ele era ruivo e tenha sido assassinado com uma facada nas costas.

Imagem com luz infravermelha mostra detalhes de tatuagens na múmia masculina

Imagem com luz infravermelha mostra detalhes de tatuagens na múmia masculina (British Museum/Reuters)

No entanto, os pesquisadores nunca haviam prestado muita atenção em duas manchas pretas que se sobrepõem ligeiramente na parte superior de seu braço direito. Agora, uma análise mais aprofundada revela que elas são a representação de um touro selvagem e um carneiro da Barbária. Estas imagens podem ter sido gravadas como símbolo de força e poder.

Os restos femininos, que pertencem à múmia conhecida como Mulher de Gebelein, apresentam quatro pequenas tatuagens em formato de “S” na vertical do ombro. Estas, segundo os cientistas, foram mais difíceis de interpretar – porém, acredita-se que que elas representem bastões utilizados em danças e rituais.

Antes dessa descoberta, os pesquisadores acreditavam que apenas as mulheres modificavam seus corpos por meio de tatuagens. O registro mais antigo desse tipo de prática em homens até então correspondia a uma série de marcas geométricas em uma múmia masculina encontrada por um casal de alpinistas, conhecida como Ötzi. Esses restos datam do quarto milênio antes de Cristo, então, ele deve ter sido aproximadamente contemporâneo às múmias de Gebelein.

Tatuagens são encontradas em múmias de 5.000 anos de idade Outro desenho é encontrado na parte posterior do ombro da múmia feminina no British Museum, em Londres, Inglaterra – 01/03/2018

Outro desenho é encontrado na parte posterior do ombro da múmia feminina no British Museum, em Londres, Inglaterra – 01/03/2018 (The Trustees of the British Museum/Reuters)

O coautor do estudo Daniel Antoine, curador de Antropologia Física do Museu Britânico, afirmou em comunicado que o achado foi possível pelo “uso dos métodos científicos modernos, como o uso do scanner CT, a datação por radiocarbono e imagens infravermelhas”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. francisco salim alves penin

    Mas, e aí?, Bíblia diz que Deus criou o homem há pouco mais de 5.000 anos; as múmias mais antigas são chilenas e teriam aproximadamente 10 mil anos. Entonces…

    Curtir

  2. “Entonces” o quê??? Vc concluiu com isso que Deus não existe? Hahaha. O Brasil não é um país, é um planeta. Meu Deus.

    Curtir