Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

SpaceX planeja enviar módulo espacial para Marte em 2018

A empresa de Elon Musk anunciou o próximo passo para a colonização de Marte: o envio de cápsulas Dragon não-tripuladas que irão fazer experimentos científicos no planeta

A empresa americana SpaceX anunciou nesta quarta-feira que planeja enviar cápsulas Dragon a Marte em 2018. A missão é mais um passo do bilionário Elon Musk em seu objetivo de colonizar o planeta com recursos privados. Pelo twitter, Musk informou que a cápsula Dragon 2 foi desenhada para pousar em qualquer lugar do Sistema Solar e a nova missão, não-tripulada e batizada de Red Dragon Mars, seria seu primeiro voo de teste. Se a missão for bem-sucedida, será a primeira empresa privada a pousar uma espaçonave em Marte.

Leia também:

SpaceX coloca no espaço primeira cápsula comercial

Marte teve lagos e correntes d’água no passado, confirma Nasa

As cápsulas da nova missão seriam uma versão modificada do módulo Dragon, utilizado pela companhia para transportar suprimentos para a Estação Espacial Internacional (ISS). A nova cápsula será equipada com oito motores SuperDraco que permitem que ela aterrisse com tranquilidade no solo, por meio de uma técnica conhecida como “pouso propulsado” – os motores ficam ligados durante a descida e vão diminuindo o ritmo lentamente para que o módulo aterrisse da maneira mais controlada possível na superfície de Marte. É uma técnica sofisticada, semelhante à usada pelo foguete Falcon 9 para fazer o retorno ao solo após o lançamento. Segundo a empresa, a versão final dos módulos deve estar pronta para testes já no próximo ano.

As cápsulas com destino a Marte devem ser lançadas pelo foguete Falcon Heavy, uma versão maior e mais poderosa que o Falcon 9 e que ainda está em desenvolvimento. Os primeiros voos de teste estão previstos para novembro.

Os pequenos módulos da Red Dragon fariam testes para descobrir qual a melhor forma de aterrissar grandes espaçonaves no planeta. A missão Red Dragon Mars é feita em conjunto com a Nasa – em troca dos dados de entrada, descida e pouso e Marte, a agência espacial americana oferece o suporte técnico para a viagem.

O plano, por enquanto, não inclui a viagem de astronautas dentro do módulo. “Não é recomendável o transporte de astronautas além da região Terra-Lua. Não é muito divertida para jornadas longas. O volume interno tem o tamanho de uma SUV”, afirmou Musk, pelo Twitter.

Revolução espacial – A SpaceX é a forma que Musk encontrou para tentar revolucionar as viagens espaciais. Sua ideia é barateá-las e torná-las acessíveis – para isso, mostrou que é possível criar foguetes reutilizáveis: após a decolagem, o foguete Falcon 9 fez um pouso histórico em solo, em dezembro de 2015, e em plataforma oceânica, em abril. Com isso, a empresa consegue economizar dinheiro, já que atualmente os componentes desses aparelhos custam milhões de dólares e costumam terminar destruídos após cada lançamento.

A outra frente dessa revolução é a colonização de Marte, uma ambição também da Nasa, que pretende instalar humanos no planeta nas próximas décadas. Além do pouso das pequenas cápsulas ainda seria preciso a criação de veículos interplanetários que possam ser utilizados por astronautas, habitats capazes de sobreviver à atmosfera marciana e diversos sistemas para proteger a vida humana no planeta. Mas, se Musk for bem-sucedido com a missão Red Dragon Mars, isso é um indício de que a iniciativa de estabelecer acampamentos humanos no planeta pode não estar tão distante – e talvez seja uma saída para a humanidade em caso de colapso dos recursos naturais da Terra.

(Da redação)