Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sonda que buscará resolver mistério lunar é lançada

Missão vai tentar desvendar brilho nos crepúsculos lunares, fenômeno descrito por astronautas que estiveram na Lua como semelhante à aurora boreal

A Nasa lançou na madrugada deste sábado, a partir da Ilha de Wallops, no litoral do estado da Virgínia, a cápsula robótica que orbitará a Lua para tentar resolver um mistério de cinco décadas: os crepúsculos lunares. A sonda chamada Explorador de Atmosfera e Poeira Lunar (Ladee, na sigla em inglês) tem o tamanho de um automóvel compacto e pesa 383 quilos.

Leia também:

Água da Lua tem a mesma origem que a da Terra

Amostras trazidas da Lua são encontradas após 40 anos

O foguete carregando a cápsula partiu, segundo o programado, à 0h27 deste sábado (em Brasília) da instalação da Nasa onde funciona o Centro Espacial de Wallops, localizado a 270 quilômetros da capital americana. Criado em 1945, ele tem sido usado para lançar pequenas naves suborbitais e balões científicos.

Aurora boreal – Na última expedição tripulada até a Lua, a Apollo 17, os astronautas relataram ter visto um brilho no horizonte lunar logo antes do nascer do Sol, semelhante à aurora boreal. O fenômeno, esboçado em seu caderno por Eugene Cernan, comandante da missão, surpreendeu os cientistas, já que a lua não tem uma atmosfera suficiente espessa o suficiente para refletir a luz do Sol dessa maneira.

A nova missão, estimada em 280 milhões de dólares, vai durar aproximadamente um mês. Quando entrar na órbita lunar, o Ladee vai testar a teoria elaborada pelos cientistas segundo a qual o misterioso fenômeno é efeito da poeira lunar, eletricamente carregada, em suspensão.

a sonda vai investigar ainda o entorno gasoso da Lua, denominado exosfera (fino demais para ser considerado uma atmosfera). De acordo com os especialistas encarregados da missão, os dados podem ajudar na pesquisa de outros corpos do Sistema Solar, como o planeta Mercúrio e asteroides.

“Por meio das sondas de reconhecimento, descobrimos que a Lua continua evoluindo e que, de fato, tem uma espécie de atmosfera”, disse John Grunsfeld, administrador associado da Nasa e encarregado de missões científicas. Para ele, esta missão “poderia ajudar a entender melhor a diversidade do nosso Sistema Solar e sua evolução”.

Reprodução

NASA

NASA (/)

Desenhos feitos por Eugene Cernan, comandante da missão Apollo 17

Comunicação a laser – A Nasa pretende ainda testar um sistema de comunicação espacial a laser, que poderia melhorar a comunicação entre os satélites e suas bases na Terra. Com essa ligação, os dados poderiam ser transmitidos do espaço até seis vezes mais rápido do que atualmente.

A última missão da Nasa para a Lua foi em 2012, com o lançamento das sondas gêmeas Grail para medir seu campo gravitacional. Antes disso, em 2009, os Estados Unidos lançaram as duas sondas, que confirmaram a presença de água em forma de gelo em uma cratera no polo sul da Lua.

(Com agência EFE)